16:11 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 80
    Nos siga no

    Cientistas da NASA ficaram perplexos ao avistar um suposto "raio da morte" atravessando o Universo, exercendo um poder "maior do que a energia necessária para acabar com a toda a vida no planeta".

    A descoberta foi realizada pelo satélite Uhuru da agência espacial lançado nos anos 1970. Na ocasião, a sonda captou algo que jamais havia sido visto antes, uma grande fonte de luz que parecia vir da constelação de Cisne.

    O fenômeno foi chamado de "raio da morte" pelo nome da arma eletromagnética desenhada nos anos 30 que se tornou uma inspiração para as atuais armas utilizadas por militares, como o Sistema de Armas a Laser da Marinha dos EUA, conforme o tabloide Express.

    A fonte de raios X foi denominada Cygnus X-1, seu apelido de "raio da morte" se deve ao fato de ela possuir energia suficiente para extinguir a vida na Terra de uma forma imperceptível.

    "Os raios X são ondas magnéticas extremamente energéticas, basicamente como se a luz tomasse esteroides [...] Nós não detectamos os raios X na Terra porque a atmosfera nos protege, o que é ruim para os astrônomos, porém é bom para os humanos, pois estes raios são perigosos [...] Entretanto, não compreendemos o que de fato era o Cygnus X-1", afirmou o astrofísico Dr. Daniel Castro.

    O que se sabe sobre o Cygnus X-1 é que ele possui um alto poder de destruição, devido a uma força natural, a mais poderosa do cosmos, uma estrela morta em colapso que estava consumindo tudo ao seu redor.

    "À medida que a estrela é consumida, sua matéria superaquecida produz raios X, que geram pulsos de raios X do Cygnus X-1", concluiu.

    Mais:

    Até que ponto descoberta da NASA sobre universo paralelo seria plausível?
    NASA publica vista panorâmica de Mercúrio em cores (VÍDEO)
    Alerta NASA: asteroide passará 'de raspão' pela Terra neste sábado
    Tags:
    Juízo Final, NASA, descoberta, raios cósmicos, raios laser, raios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar