05:07 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 150
    Nos siga no

    Uma antiga região vulcânica, situada entre áreas densamente povoadas da Europa, está despertando novamente, afirmam geólogos.

    De acordo com um estudo publicado pelo Geophysical Journal International, movimentos incomuns na superfície terrestre indicam que a região vulcânica de Eifel, no oeste da Alemanha - localizada próximo à Bélgica e Luxemburgo – continua ativa.

    A região possui uma longa história de atividade vulcânica e apresenta muitas características vulcânicas antigas, incluindo crateras de baixo relevo conhecidas como "maars" - algumas que possuem água, formando lagos circulares - que são remanescentes de violentas erupções vulcânicas.

    Acredita-se que a última erupção na região ocorreu há 11 mil anos, revela a publicação Newsweek.

    Contudo, enquanto muitos cientistas acreditavam que a atividade vulcânica na área pertencia ao passado, diversos estudos sugerem que este pode não ser o caso.

    Por exemplo, alguns dos lagos "maars" ainda liberam grandes quantidades de gás, que alguns cientistas consideram ter origem no manto da Terra - a camada geológica debaixo da fina crosta exterior do planeta.

    Um estudo publicado em 2019 também encontrou evidências de atividade vulcânica recente, com pesquisadores detectando pequenos terremotos no lago Laacher, na Alemanha - o maior lago deste tipo na área. Os autores acreditam que esta atividade sísmica poderia ser explicada pelo movimento de fluidos, possivelmente magma, nas camadas sob a crosta da Terra.

    "Eu percebi que a parte mais ao sul [Eifel] subiu consideravelmente", afirmou à Newsweek Corné Kreemer, autor principal do estudo de 2019 e professor da Universidade de Nevada (EUA). "Para investigar mais, comecei a coletar dados de GPS dos países próximos. Quanto mais pesquisava, mais começava a observar esta área de movimento anômalo ascendente. Esta região também estava lentamente sendo empurrada para cima [...]".

    De acordo com Kreemer, a máxima elevação detectada foi de 0,1 centímetros por ano em Eifel, que é "rápido em termos geológicos". Os pesquisadores descobriram que a superfície terrestre em uma grande área, cobrindo partes também da Bélgica, Países Baixos, França e Luxemburgo, está aumentando de altitude.

    Mapa da Europa (imagem referencial)
    © CC0 / Pixabay
    Mapa da Europa (imagem referencial)

    Os pesquisadores afirmam que suas observações deste movimento da superfície podem ser explicadas pela chamadas plumas mantélicas, que estão pressionado a superfície a partir do interior da Terra. Estas plumas são um mecanismo de transferência de calor, que repassa matéria muitíssimo quente do manto da Terra para a superfície. Segundo os cientistas, estes fenômenos são responsáveis por focos vulcânicos como o Havaí.

    A pluma em si não é feita de magma, mas transfere calor para a superfície da Terra. Esse calor então derrete as partes inferiores da crosta terrestre.

    Embora os cientistas discutam se a pluma mantélica localizada por baixo da região vulcânica de Eiffel estaria ainda ativa ou já estaria extinta, muitos sismólogos suspeitam que ela seria responsável pela atividade vulcânica na área.

    "Não existe nenhuma outra zona na 'estável Europa' onde encontremos uma coerente e significativa elevação se estendendo por uma área tão grande", afirmou o geólogo.

    Os pesquisadores envolvidos afirmam que, em conjunto com outros colegas, continuaram a monitorar a área usando uma variedade de técnicas, com o intuito de melhor compreender possíveis riscos.

    Mais:

    Mamífero 'mais resistente' do mundo é flagrado em VÍDEO passeando por vulcão
    Sonda da NASA detecta em Marte dezenas de possíveis sismos
    Terremotos provocam morte e danificam monumento histórico no Irã
    Tags:
    sismologia, ciência, Alemanha, Europa, vulcão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar