13:24 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    0 10
    Nos siga no

    Em conjunto com outras medidas, se pelo menos metade da população usar máscaras em público, o número de infecções cairia, o que permitiria medidas menos restritivas, diz um estudo britânico.

    A utilização generalizada de máscaras em áreas públicas, em conjunto com o confinamento, pode evitar uma segunda onda de coronavírus, escreve a agência Reuters, referindo um estudo das universidades de Cambridge e Greenwich, Reino Unido, publicado na quarta-feira (10).

    Juntos, o distanciamento social e o uso de máscaras podem ser "uma forma aceitável de gerir a pandemia e reabrir a atividade econômica", diz o estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Society A.

    A pesquisa utiliza o valor R para expressar a dinâmica de disseminação da doença. Um valor R médio na população superior a um indica a probabilidade de crescimento exponencial. O uso constante de máscaras em público, por exemplo, seria duas vezes mais eficaz que fazê-lo só com o aparecimento de sintomas.

    Após avaliar todos os cenários, os cientistas concluíram que o uso rotineiro de máscaras por pelo menos 50% da população reduziu o valor R para menos de um, não só achatando a curva de ondas epidemiológicas futuras, como também permitindo confinamentos menos rigorosos.

    "Nossas análises apoiam a adoção imediata e universal de máscaras de rosto pelo público", comenta Richard Stutt, coautor do estudo em Cambridge.

    A Organização Mundial de Saúde atualizou suas orientações na sexta-feira (5), recomendando que os governos peçam a todos que usem máscaras faciais de tecido em áreas públicas onde haja risco de disseminação da doença.

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    Estudo revela por que SARS-CoV-2 é tão perigoso para os humanos
    Estudo revela grupo sanguíneo mais resistente ao coronavírus
    Quanto tempo coronavírus permanece no corpo de infectados?
    Tags:
    OMS, Organização Mundial de Saúde, Universidade de Cambrige, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar