14:38 12 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    280
    Nos siga no

    Na opinião de Yevgeny Slyuta, pesquisador da Academia de Ciências Russa, analisar as amostras de solo lunar não é viável in situ, por isso deve ser usado um robô para transportá-las ao nosso planeta.

    Cientistas russos precisam de oito a dez amostras de solo de diferentes áreas da Lua para determinar com precisão a história da origem do satélite natural da Terra, disse à Rádio Sputnik o chefe do Laboratório de Geoquímica da Lua e Planetas do Instituto de Geoquímica e Química Analítica da Academia de Ciências Russa, Yevgeny Slyuta.

    "A Rússia quer enviar um robô, é mais seguro, mais barato e mais confiável", revelou Slyuta.

    "Não se fazem análises precisas no terreno. O estudo da composição isotópica é uma análise muito sensível. Só a preparação para isso leva vários meses", adverte o diretor científico.

    Uma das amostras de solo, espera o cientista, será entregue pela estação lunar russa Luna-28.

    Teorias de origem da Lua

    Segundo ele, no mundo existem agora dois principais modelos de formação da Lua: a hipótese proposta pelos norte-americanos de colisão com a Terra de outro corpo celeste e a hipótese russa da origem paralela da Lua e da Terra. Mas elas só podem ser confirmadas com as amostras lunares na própria Terra, de acordo com o cientista.

    O cientista lembrou que a ideia da formação conjunta da Terra e da Lua foi proposta originalmente pelo filho de Charles Darwin no início do século XX.

    Segundo ele, a hipótese norte-americana de colisão com a Terra de outro corpo celeste simula bem a formação da Lua, mas não explica a diferença na composição dos dois corpos celestes. A hipótese de formação conjunta da Lua e da Terra defendida pela Rússia tem suas lacunas, mas é mais consistente em termos da composição da matéria da Lua e da Terra, diz.

    "Dados recentes confirmam nossa hipótese", afirma.

    O pesquisador principal do Instituto de Pesquisas Espaciais da Academia de Ciências da Rússia, Natan Eismont, contou à Rádio Sputnik que as amostras de solo poderiam ser obtidas em um futuro próximo.

    "São planejados voos concretos dentro de uma década. O principal objetivo é coletar amostras de solo de áreas aonde nunca foi nenhuma nave espacial. A maioria das áreas de interesse estão nos polos, começando pelo sul. Isso permitirá compreender a origem da Lua e do sistema Lua–Terra", prevê.

    Yevgeny Slyuta considera que nenhuma das hipóteses está realmente confirmada, e que as sondas espaciais, de preferência robôs, são a única forma de o realizar.

    Mais:

    Com novo foguete, China poderá concorrer com os EUA por atividades na Lua, segundo especialista
    Administração Trump elabora acordo para mineração da Lua sem China e Rússia, diz mídia
    China lança com sucesso protótipo de espaçonave que poderá ir à Lua no futuro
    Tags:
    Academia de Ciências da Rússia, Rússia, Sputnik, Terra, Lua
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar