07:44 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)
    0 11
    Nos siga no

    Um estudo da Universidade de Michigan, EUA, procura registrar nos pacientes a "impressão digital" de cada estágio da infecção por SARS-CoV-2, o que ajudaria contra o esgotamento dos recursos de saúde.

    Ser capaz de antecipar quais pacientes poderiam estar em risco de morte pela COVID-19 daria tempo para tomar precauções suficientes para evitar situações graves, salvando vidas. Uma possibilidade é aberta pela nanotecnologia, segundo uma pesquisa do professor Morteza Mahmoudi da Universidade de Michigan, nos EUA.

    O estudo da Universidade de Michigan, EUA, publicado na revista Molecular Pharmaceutics, aposta na nanotecnologia para dar uma resposta precisa a essas circunstâncias e evitar muitas das complicações. O trabalho propõe uma nova plataforma diagnóstica que analisa os fluidos de uma pessoa infectada e identifica o estágio da doença, antecipando as necessidades dos pacientes.

    "Essa tecnologia seria útil não só para evitar a saturação dos centros de cuidados de saúde, como também para prevenir a grave escassez de recursos de saúde, para minimizar os índices de mortalidade e melhorar o gerenciamento de futuras epidemias e pandemias", explicou Morteza Mahmoudi, da Faculdade de Medicina da instituição, em um comunicado da universidade.

    Como explicou o cientista, cada estágio de uma infecção ou doença tem suas próprias características, como sua "impressão digital" própria, e isto pode ser visto nas diferentes formas de interação entre o fluido e as nanopartículas.

    Como usar nanotecnologia?

    A nanotecnologia é a ciência da manipulação da matéria à escala mínima nanométrica, à qual pertencem as moléculas e os átomos. O estudo propõe coletar amostras de fluidos, como lágrimas, saliva, urina ou plasma, de uma pessoa infectada para identificar em que nível de infecção e estágio da doença se encontra o paciente.

    Para conseguir isso, o fluido é colocado em contato com uma coleção de nanopartículas com menos de um milésimo do diâmetro de um fio de cabelo humano. As nanopartículas coletam proteínas, lipídios e outras moléculas desse fluido, formando o que Mahmoudi chama de "coroa biomolecular".

    Assim, ao analisar a composição dessas coroas biomoleculares de forma estatística, a nova plataforma de diagnóstico poderia fornecer a "impressão digital" do fluido de um paciente em risco de vida, para evitar que ele chegue a esse estágio.

    Os cientistas pretendem criar o dispositivo utilizando optoeletrônica, técnica que utiliza aparelhos eletrônicos que fornecem, detectam e controlam luz, permitindo a visualização dos resultados da análise de nanopartículas, e também não requer profissionais médicos para administrar o teste.

    A pandemia da COVID-19 já matou mais de 350.000 pessoas em todo o mundo e saturou os sistemas de saúde de países ricos e pobres. A idade e a presença de doenças pré-existentes, como as cardiovasculares e diabetes tornam possível identificar grupos de risco, mas o novo coronavírus provou ser imprevisível, tirando a vida a pessoas sem essas condições.

    Tema:
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)

    Mais:

    Cientistas comprovam eficiência de popular método de prevenção contra COVID-19
    Dióxido de nitrogênio estaria ligado a maior mortalidade por COVID-19, descobre cientista
    Medicamentos para hipertensão arterial são eficazes para tratar COVID-19, dizem cientistas chineses
    Tags:
    EUA, Universidade de Michigan, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar