16:36 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)
    0 10
    Nos siga no

    Entre todas as tentativas de atenuar as consequências da pandemia da COVID-19 a nível mundial, as agências espaciais não ficaram para trás.

    A NASA dos EUA, a Corporação Estatal de Atividades Espaciais da Rússia (Roscosmos), e a Agência Espacial Europeia (ESA, na sua sigla inglês) trabalham desde o início da pandemia em diversos projetos para fornecer soluções no combate ao vírus.

    Estas são algumas das contribuições feitas até agora.

    Ventiladores pulmonares

    Notícia: Hoje, um ventilador de alta pressão, desenvolvido pelos engenheiros da NASA e adaptado para tratar pacientes com coronavírus, foi aprovado para uso pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA conforme a Autorização de Uso Emergencial

    Engenheiros da NASA na Califórnia desenvolveram um ventilador pulmonar de alta pressão para tratar pacientes com COVID-19. O aparelho foi projetado para tratar pacientes menos graves, que não requerem um ventilador com todas as funções.

    Portanto, é possível manter o fornecimento limitado dos ventiladores tradicionais do país para pessoas que apresentam sintomas mais severos da doença.

    Segundo explicaram os engenheiros envolvidos no projeto, "a construção do aparelho é mais rápida, pois é composto de menos peças que ventiladores convencionais, o que torna sua produção mais econômica". Além do mais, o ventilador da NASA leva peças já disponíveis no mercado, para não competir com o fornecimento existente de ventiladores comuns.

    Uma invenção similar foi desenvolvida pela Roscosmos, que criou um ventilador pulmonar para ambulâncias e transferência de pacientes a salas de internação.

    Segundo indica o site oficial da agência espacial russa, as primeiras mil unidades chegarão às instituições médicas em junho, e se espera que o número cresça progressivamente uma vez que o primeiro fornecimento entre em funcionamento.

    Impressões médicas 3D

    A ESA colocou seus especialistas a serviço da emergência sanitária. O Centro de Astronautas Europeu de Colônia, na Alemanha, destinou duas de suas impressoras 3D a dispositivos médicos para apoiar funcionários da saúde na Europa.

    Inovação em tecnologia habilitada para o espaço está descobrindo novas soluções para lidar com a pandemia da COVID-19.

    Estas viseiras da Maker vs. Virus e ESA utilizam tecnologias de impressão 3D para proteger trabalhadores essenciais

    Máscaras de oxigênio

    Outra importante contribuição foi a criação de Máscaras de Oxigênio de Pressão Positiva (VITAL, na sigla em inglês), elaboradas pelo Centro de Pesquisa de Voo Armstrong da NASA. Também com o fim de substituir os ventiladores convencionais por aparelhos que fornecem oxigênio a pacientes com sintomas mais leves, estas máscaras especiais funcionam como uma "máquina de pressão positiva contínua nas vias respiratórias" para pessoas com pulmões funcionando limitadamente.

    Contribuições críticas da NASA na luta contra a COVID-19

    Ventilador VITAL - Laboratório de Propulsão a Jato na Califórnia

    Capacete de Pressão Positiva do Vale Aeroespacial - Centro de Pesquisa de Voo Armstrong na Califórnia

    Sistema de Descontaminação de Superfície - Centro de Pesquisa Glenn em Ohio

    Os Capacetes de Pressão Positiva do Vale Aeroespacial foram aprovados com êxito por médicos e aguardam a autorização da Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA para seu uso em casos de emergência. Enquanto isso, a NASA elabora 500 exemplares.

    Tema:
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)

    Mais:

    Japão retira estado de emergência por coronavírus em Tóquio e outras 4 regiões
    Laboratório de Wuhan admite ter 3 estirpes vivas de coronavírus de morcego
    Até que ponto descoberta da NASA sobre universo paralelo seria plausível?
    Tags:
    Roscosmos, pandemia, inovação, Agência Espacial Europeia (ESA), NASA, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar