15:57 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Arqueólogos chineses encontraram mais de seis mil tumbas que variam desde 475 a.C. até 1644 d.C. e que possuem dados importantes sobre a sociedade chinesa ao longo da Rota da Seda.

    As tumbas foram encontradas ao sul da cidade chinesa de Chengdu, na província de Sichuan, no sudoeste do país.

    O achado é formado por diferentes tumbas antigas que datam desde o período dos Estados Combatentes (475 a.C. – 221 a.C.) até a dinastia Ming (1368 d.C. – 1644 d.C.), publicou a agência Xinhua.

    Mais de seis mil tumbas antigas de diferentes tipos foram desenterradas no parque Inovacional Hi-Tech Singapura-Sichuan em Chengdu. Variando desde o período dos Estados Combatentes até a dinastia Qing [Ming, correção da redação], muitas relíquias foram desenterradas do conjunto de tumbas.

    De acordo com o pesquisador Zuo Zhiqiang, que tem liderado os trabalhos de pesquisa arqueológica, resíduos do fim da era Neolítica e outras dezenas de milhares de relíquias culturais de uma variedade de dinastias, incluindo cerâmica, artigos de bronze e pedra, moedas e pérolas oriundas dos oceanos Pacífico e Índico, já haviam sido encontrados no sítio arqueológico desde março de 2015.

    Mais de seis mil tumbas antigas datando desde o período dos Estados Combatentes (475 a.C. – 221 a.C.) até a dinastia Ming (1368 – 1644) foram descobertas na província do sudoeste da China de Sichuan.

    Ainda de acordo com Zhiqiang, o achado "tem importância para o estudo das trocas culturais entre a China e o Ocidente, assim como as mudanças sociais ao longo da Rota da Seda".

    Mais:

    Como descoberta de provável tumba de Alexandre, o Grande, gerou controvérsia diplomática?
    Encontrada tumba de príncipe de 2.600 anos com coleção de peças valiosíssimas na Itália (FOTOS)
    Fóssil de 200 milhões de anos mostra lula atacando presa (FOTO)
    Tags:
    antiguidade, tumbas, sepulturas, sítio arqueológico, arqueologia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar