00:46 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 211
    Nos siga no

    Sonda espacial japonesa Hayabusa2 tirou fotos do asteroide Ryugu que mostram que o mesmo teria estado muito próximo do Sol há 300 mil anos.

    As imagens foram obtidas por uma câmera de navegação telescópica (ONC-T, na sigla em inglês), com sete cores, instalada a bordo da sonda japonesa, a uma distância de aproximadamente 290 milhões de quilômetros da Terra.

    Na ocasião, a missão japonesa se aproximou do Ryugu com o intuito de obter amostras para pesquisas científicas.

    © Foto / Tomokatsu Morota et al.
    Imagens da superfície do asteroide Ryugu

    Enquanto a Hayabusa2 aterrissava em uma área de cor mais azulada do corpo celeste em 29 de fevereiro, isso provocou a pulverização e dispersão de fragmentos do solo. Logo em seguida, quando voltou a decolar, surgiu nessa área uma camada de grãos de cor vermelha.

    A análise espectral da superfície de Ryugu verificou que o padrão de vermelho e azul indica que o asteroide se aproximou do Sol em algum momento de sua história.

    Os pesquisadores acreditam que tal aproximação ocorreu cerca de 300 mil anos atrás, publicou a revista científica Science.

    "As variações de cor latitudinais sugerem que o tom avermelhado do material da superfície [tenha sido provocado] pelo calor solar e/ou intempérie espacial", escreveram os cientistas japoneses na publicação.

    De volta à Terra

    Atualmente, os cientistas esperam o retorno da missão junto com o material recolhido do asteroide.

    Espera-se que a Hayabusa2 chegue à Terra em dezembro deste ano. Seu caminho de volta deverá ser mais curto do que o de ida.

    Mais:

    NASA e Força Espacial dos EUA arquitetam plano de 10 anos contra asteroide 'cavaleiro do Apocalipse'
    Como se formou asteroide Arrokoth, o 'boneco de neve espacial' nas margens do Sistema Solar?
    Por que NASA planeja usar nave espacial contra asteroide?
    Tags:
    segredo, Sol, espaço, Hayabusa-2, missão espacial, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar