05:26 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    Um novo estudo da Universidade de Stanford, publicado pela revista AGU Advances, revelou que o alvo da sonda Perseverance da NASA em Marte é a cratera Jezero.

    A cratera Jezero foi formada ao longo de períodos que promoveram a manutenção da vida e pode preservar evidências de vida antiga no planeta.

    O delta de 3,5 bilhões de anos pode ter sido cortado por rios abundantes em água que fluíam pela área, conforme observado em imagens espaciais durante análises feitas por pesquisadores, conforme estudo publicado pela revista AGU Advances

    Além disso, pesquisadores sabem que os deltas de rios na Terra preservam eficazmente as moléculas orgânicas associadas à vida, mas não há uma compreensão das taxas e durações dos eventos de construção de deltas, sabendo-se que o tempo para formar as camadas de sedimentos foi suficiente apenas para registrar traços de vida antiga, que supostamente havia em Marte.

    "Provavelmente houve água durante uma duração significativa em Marte e esse ambiente era certamente habitável, mesmo que fosse árido [...] Mostramos que os sedimentos eram depositados rapidamente e que se houvesse orgânicos, teriam sido enterrados rapidamente, o que significa que provavelmente teriam sido preservados e protegidos", afirmou o autor principal do estudo e professor de ciências geológicas na Universidade de Stanford, Mathieu Lapôtre.

    O estudo incorpora uma descoberta recente que pesquisadores fizeram sobre a Terra: rios sinuosos de rosca única, que não têm plantas crescendo sobre as margens, movem-se de lado cerca de 10 vezes mais rapidamente que os que têm vegetação.

    Para o pesquisador, a formação dos rios era provavelmente descontínua, intercalando com períodos secos e tendo durado cerca de 400.000 anos.

    Cratera Jezero
    Cratera Jezero

    Se a vida existiu, provavelmente não evoluiu além do estágio unicelular. Além disso, algum evento desconhecido que esterilizou o planeta paralisou sua evolução, indicando que a cratera Jezero poderia servir como uma espécie de cápsula do tempo preservadora dos sinais de vida como na Terra.

    "Poder usar outro planeta como uma experiência de laboratório para saber como a vida poderia ter começado em outro lugar ou onde há um registro melhor de como a vida começou, isso poderia nos ensinar muito sobre o que é a vida", concluiu Lapôtre.

    Mais:

    Bactérias em rochas a 6 km de profundidade no Pacífico reacendem esperanças de vida em Marte (FOTO)
    Meteoritos contam história da água em Marte, segundo cientistas
    Colonização de Marte? Criado reator híbrido que converte gás carbônico em alimento (FOTOS)
    Tags:
    vida, Terra, Marte, professor, astrônomo, cientistas, pesquisa, estudos, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar