12:19 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)
    10171
    Nos siga no

    Investigador da Academia de Ciências da Rússia sugere que, enquanto se aguarda uma vacina, pode ser possível ir enganando o coronavírus recorrendo à engenharia genética.

    Sergei Nedospasov, acadêmico e diretor do Laboratório de Mecanismos Moleculares de Imunidade do Instituto de Biologia Molecular V.A. Engelhardt, falou, em entrevista ao canal de televisão RT, sobre a possibilidade de "enganar" o novo coronavírus através de métodos de engenharia genética.

    Engenharia genética

    De acordo com o cientista, para criar uma vacina que evite a COVID-19, é necessário recorrer a tecnologias genéticas e, para criar os modelos pré-clínicos, pode ser necessário editar o genoma.

    "Até agora, nada foi detectado neste vírus que nos faça duvidar da possibilidade de obter uma vacina", afirmou o acadêmico, advertindo contudo para o fato de serem necessários vários meses de investigação e testes clínicos completos, o que requererá mais de um ano.

    Nedospasov relembrou que pacientes com COVID-19 podem ser curados recorrendo a transfusão de plasma, salientando contudo a desvantagem deste método, a de poder transmitir outra infecção ao paciente.

    Anticorpos naturais ou artificiais?

    A solução para este problema, segundo o cientista, estaria no uso de "preparações purificadas de anticorpos específicos do sangue de pacientes curados".

    Nedospasov explicou que existe outra forma de se obter a cura para o novo coronavírus - a criação artificial de anticorpos neutralizantes, ressalvando no entanto que a proteção do organismo nesse caso seria temporária, elegendo por isso a vacinação como a opção mais confiável.

    Vacinação, melhor opção

    "Com um vacinação bem-sucedida, não só se formam anticorpos neutralizantes, mas também linfócitos que produzem esses anticorpos, proporcionando memória imunológica e a proteção durante muitos anos", garantiu Nedospasov.

    A pandemia do novo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença COVID-19, já se espalhou por quase todo o mundo. De acordo com os últimos dados hoje (26) divulgados, já foram infectadas no mundo 2.898.703 pessoas, havendo a registrar 203.043 óbitos.

    Os Estados Unidos, a Espanha e a Itália são os países com o maior número de infecções e mortes, ocupando a Rússia o décimo lugar em número de infectados - 74.588 pessoas, registrando-se 681 óbitos e 6.250 pacientes curados.

    Na maior parte do país funciona o regime de isolamento social, tendo em algumas regiões sido introduzido o sistema de autorizações para circular na rua. Os russos foram exortados a permanecer confinados em casa.

    Tema:
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)

    Mais:

    Cientistas chineses alertam para estirpes de coronavírus '270 vezes mais fortes' que as mais fracas
    Dióxido de nitrogênio estaria ligado a maior mortalidade por COVID-19, descobre cientista
    Cientista: futuro da COVID-19 no Brasil é incerto porque dados são subestimados
    Tags:
    vacina, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar