15:54 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Um esconderijo de asteroides interestelares pode ter permanecido distante dos holofotes da ciência por bilhões de anos, afirmam pesquisadores.

    A possível descoberta foi revelada por um novo estudo focado em rochas espaciais peculiares, chamadas Centauros, que orbitam o Sol próximo a Júpiter e Saturno, divulga o portal Space.com.

    Estes corpos espaciais têm atraído há muito tempo a atenção da astronomia devido a suas órbitas imprevisíveis, que simulações sugerem deveriam colidir ou voar para fora do Sistema Solar. O novo estudo sugere que isso ocorre por terem sido tomados pelo nosso Sistema Solar quando este era muito jovem. Com uma menor expansão do Universo, as estrelas estariam mais próximas umas das outras.

    "A grande proximidade das estrelas significaria que elas sentiam a gravidade umas das outras com mais intensidade nessa época antiga do que agora", afirmou em um comunicado Fathi Namouni, autor principal do estudo e astrônomo do Observatório da Côte d'Azur, na França. "Isto permitiu aos asteroides que fossem puxados de um sistema estelar para outro."

    Esta pesquisa analisou 21 objetos no Sistema Solar exterior: primordialmente Centauros e algumas outras formações rochosas peculiares. Utilizando um programa de computador, os cientistas clonaram virtualmente esses objetos dezenas de milhares de vezes para compreender possíveis cenários de suas fugas.

    De acordo com os pesquisados, as análises sugerem que estes corpos espaciais nasceram fora do nosso Sistema Solar, posteriormente sendo trazidos para cá.

    Para a equipe envolvida, asteroides podem ter provavelmente vagado e se encontrarem retidos em outros sistemas estrelares, pois no começo do nosso Sistema Solar, com menos de aproximadamente 4 bilhões de anos de expansão, os objetos espaciais eram mais próximos.

    "A descoberta de toda uma população de asteroides de origem interestelar é um passo importante para compreender as semelhanças e as diferenças químicas e físicas entre asteroides nascidos no Sistemas Solares e os interestelares", afirma Maria Helena Morais, uma astrônoma da Universidade Estadual Paulista (UNESP), no mesmo comunicado.

    A pesquisadora da UNESP afirma que esta descoberta pode ajudar a aprofundar a compreensão sobre o início do Universo.

    Mais:

    Velocidade de vento atmosférico fora do Sistema Solar é medida pela 1ª vez em 'estrela falha'
    Capturadas novas FOTOS de asteroide gigante de 'máscara' que se aproxima da Terra
    Primeiro cometa interestelar no Sistema Solar poderia estar se desintegrando
    Tags:
    estudo, asteroide, astronomia, espaço, Universo, Sistema Solar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar