14:00 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)
    7131
    Nos siga no

    O vírus SARS-CoV-2 pode provocar um tipo de pneumonia silenciosa que oculta os sintomas de dificuldade de respiração até chegar a um estado crítico, conclui médico norte-americano.

    Um médico nos Estados Unidos chegou à conclusão que o vírus gera uma hipóxia "silenciosa", condição que agrava muitos casos de COVID-19 e aumenta a possibilidade de morte.

    Richard Levitan pratica medicina de emergência há 30 anos. Nos últimos 20 anos, ele tem estado particularmente envolvido no ensino de procedimentos de intubação a médicos de todo o mundo, uma técnica na qual ele é especialista.

    Esse conhecimento o levou a ser voluntário no tratamento de pacientes com coronavírus em um hospital do estado de Washington, onde observou casos fatais da COVID-19.

    "A pneumonia causada pelo vírus tem tido um impacto surpreendente no sistema hospitalar da cidade. Durante meu breve tempo em Bellevue, quase todos os pacientes que estavam na área de emergência tinham pneumonia COVID-19", escreveu o médico no diário The New York Times.

    Houve pacientes admitidos por problemas de saúde de vários tipos, diabetes, desmaios, acidentes ou outros motivos, mas acabaram diagnosticados com COVID-19, o que significa que nenhum deles tinha dificuldades respiratórias típicas de pneumonia, como a causada pelo coronavírus.

    "Isto é o que realmente nos surpreendeu: estes pacientes não relataram nenhum tipo de sensação ligada a problemas respiratórios, mesmo que suas radiografias do tórax mostrassem a doença e seu oxigênio estivesse abaixo do normal", relatou Levitan.

    Foi então identificada uma "hipóxia silenciosa", pois as pessoas que a apresentam não sentem o que a caracteriza, a falta de oxigênio que seus pulmões estão tendo. Como eles não sentem falta de ar, é difícil detectar a pneumonia COVID-19.

    O que é pneumonia?

    Pneumonia é uma infecção pulmonar que faz com que os pulmões se encham de líquido ou pus (líquido proveniente de uma infecção). Normalmente os sintomas respiratórios aparecem imediatamente e são muito dolorosos. No entanto, a pneumonia por COVID-19 é completamente assintomática dessa forma, pelo menos na parte inicial da doença.

    Como observado pelo médico, os níveis de saturação de oxigênio para uma pessoa com pneumonia podem cair de 100% para 94%, enquanto pacientes com coronavírus atingem níveis baixos de até 50% de oxigênio.

    "Para minha surpresa, a maioria dos pacientes relatou sentir febre, com tosse, dor de barriga e cansaço, mas só começaram a sentir falta de ar no dia em que chegaram ao hospital. Claramente eles tinham tido a doença por vários dias, mas os sintomas apareceram quando já estavam em estado crítico", explicou Richard Levitan.

    Por que a hipóxia é diferente com COVID-19?

    Em geral, os pacientes que necessitam de intubação têm sintomas físicos graves, estão em choque, estão mentalmente alterados e têm profundas dificuldades respiratórias. A hipóxia, em particular, leva à inconsciência e à quase impossibilidade do paciente de respirar por conta própria, descreveu Levitan.

    "Os casos de hipóxia da COVID-19 são muito diferentes. A maioria dos pacientes que conheci tinha níveis de oxigênio muito baixos e, apesar disso, eles estavam usando seus celulares enquanto nós os colocávamos no monitor médico", lembrou o médico especialista em emergência.

    Segundo ele, a comunidade médica está apenas começando a entender por que isso está acontecendo. Ele explicou que o coronavírus ataca as substâncias tensoativas (que diminuem a tensão superficial) nas células pulmonares, que são responsáveis por manter os sacos dos órgãos abertos durante a respiração.

    Homem infectado com a COVID-19 recebe potencial vacina nos EUA
    © AP Photo / Ted S. Warren
    Homem infectado com a COVID-19 recebe potencial vacina nos EUA

    Isto provoca o colapso das bolsas, o que reduz os níveis de oxigênio. Mesmo assim, os pulmões não se tornam rígidos e não desenvolvem fluidos, o que lhes permite expelir o dióxido de carbono.

    Segundo o especialista, "sem o acúmulo de dióxido de carbono os pacientes não sentem falta de ar", e é por isso que a hipóxia é silenciosa. Os pacientes compensam a queda de oxigênio no sangue respirando mais rápida e profundamente, o que o corpo faz automaticamente sem que a pessoa perceba.

    "Esta hipóxia silenciosa, e a resposta fisiológica do paciente a ela, causa ainda mais inflamação, portanto mais bolsas de ar colapsam. É assim que a pneumonia piora até que os níveis de oxigênio caem", explicou o especialista.

    Depois se segue uma segunda fase, que é a que acelera e aumenta as chances de morte. Cerca de 20 por cento dos pacientes com COVID-19 passam para essa fase, disse Levitan. Nesta fase, seus pulmões se enchem de líquido e pus, aumentando sua rigidez. Então, o dióxido de carbono aumenta e a insuficiência respiratória se torna fatalmente aguda.

    Tema:
    Situação em torno da pandemia de COVID-19 no fim de abril (140)

    Mais:

    Tontura, febre alta e enjoo: jornalista da Sputnik conta como sobreviveu ao coronavírus
    Médicos revelam outro possível sintoma de infecção por coronavírus
    Médica explica principal diferença entre novo coronavírus, SARS e MERS
    Tags:
    The New York Times, EUA, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar