15:08 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)
    2142
    Nos siga no

    A razão dos casos graves e "inexplicáveis" de COVID-19 pode ser a predisposição genética dos pacientes, de acordo com imunologista francês, professor Jean-Laurent Casanova.

    "No caso da infecção por SARS-CoV-2, existem casos raros de formas graves, incluindo casos fatais, em crianças, adolescentes e adultos relativamente jovens. Ou seja, não estamos falando de dois fatores de risco principais: idade avançada e doenças crônicas. Esses casos inexplicáveis indicam a existência de fatores genéticos que influenciam a resposta ao vírus", explicou Casanova, em entrevista ao jornal Le Monde.

    De acordo com o especialista, esta hipótese é que pacientes relativamente jovens podem ter uma predisposição genética que não se manifesta até o primeiro contato com o vírus, mas que depois causa uma forma grave da doença até levar o paciente para a unidade de terapia intensiva.

    "De acordo com esta hipótese, no momento do contato com a infecção, seu fenótipo se manifesta, a vulnerabilidade perante ela existente em seus genes. Portanto, nosso objetivo é identificar variações no genoma que possam explicar a ocorrência de formas graves", disse o professor.

    O cientista observou que sua equipe vem aderindo, há cerca de 20 anos, à hipótese de que todas as doenças infecciosas estão associadas ao fator genético. Segundo ele, a teoria da existência de uma base genética das doenças infecciosas foi confirmada por estudos da genética clássica, entre 1905 e 1945.

    Vulnerabilidade seletiva

    "Nos últimos 25 anos, vários grupos de cientistas identificaram variações genéticas que levam à vulnerabilidade seletiva a certas doenças infecciosas entre crianças, adolescentes e adultos jovens", acrescentou o imunologista.

    A equipe de Casanova, que dirige um laboratório de genética de doenças infecciosas em Paris e Nova York, está atualmente estudando o papel da predisposição genética na suscetibilidade ao coronavírus.

    Equipe médica usa máscaras enquanto ajuda pacientes do hospital Spedali Civili em Brescia, Itália, 13 de março de 2020
    © REUTERS . Flavio Lo Scalzo
    Equipe médica usa máscaras de proteção facial em hospital italiano, 13 de março de 2020

    Até o momento, de acordo com os últimos dados, mais de 2,2 milhões de pessoas foram infectadas pelo coronavírus no mundo, cerca de 154 mil morreram.

    Tema:
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)

    Mais:

    Bióloga revela sequelas do SARS-CoV-2 sobre cérebro e pulmões
    Lesões nos pés podem ser sinal de coronavírus, alertam médicos (FOTOS)
    Descobertos sinais prévios da forma mais agressiva da COVID-19
    Tags:
    genética, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar