11:46 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)
    361
    Nos siga no

    Cachorro de rua poderiam ter sido o hospedeiro intermediário do novo coronavírus entre morcegos e humanos, ao invés de pangolim como era pensado, adianta estudo.

    Entender como o coronavírus SARS-CoV-2 pode infectar humanos é fundamental para entender como o vírus funciona e assim poder criar vacinas e tratamentos para travar sua propagação.

    Em um estudo publicado na revista canadense Molecular Biology, o biólogo Xuhua Xia, da Universidade de Ottawa, Canadá, propõe uma nova hipótese em que o novo coronavírus teria sido transmitido inicialmente dos morcegos para cachorros de rua que os comeram, vindo a infectar seus intestinos.

    "Isto mostra a importância de monitorar coronavírus do tipo SARS em cães selvagens na luta contra a pandemia", disse Xia.

    Anteriormente, pangolim foi apontado como possível hospedeiro intermediário do coronavírus.

    Paciente zero

    Entretanto, a complexa pesquisa descartou esses mamíferos escamosos como fonte da contaminação do paciente zero, excluindo igualmente a possibilidade de o vírus ter passado diretamente de morcegos.

    Segundo Xia, para ter sido transmitido por pangolins, o ancestral deste novo coronavírus teria de estar presente neste mamífero desde 1882 e em morcegos desde 1966.

    "Isto é simplesmente muito atrás no tempo", observou Xia, avançando que os cães fornecem uma explicação muito mais plausível para quando o coronavírus deu o salto em humanos.

    Xia analisou assinaturas químicas retiradas de uma variedade de espécies, incluindo morcegos, pangolins, cães, cobras e humanos, pois quando os "vírus invadem um animal, detectam-se sinais de batalha dentro do genoma viral, pois ele se adapta e muda para lutar e fugir do sistema imunológico do hospedeiro".

    Morcegos

    Especialistas acreditam que o SARS-CoV-2 quase certamente começou em morcegos, mamíferos voadores que têm disseminado muitos vírus entre os humanos, como os causadores do ebola, da raiva, bem como da síndrome respiratória aguda severa, ou SARS.

    Humanos e morcegos não interagem, portanto, outro animal estaria forçosamente envolvido, e descobrir quem é torna-se crucial para erradicar a COVID-19. Por exemplo, o surto da SARS de 2002 passou de morcegos para civetas, e destas para os humanos.

    Em seu estudo, Xuhua Xia analisou uma proteína-chave antiviral, conhecida como ZAP, que pode deter um vírus, prevenindo sua multiplicação e degradando seu genoma.

    Morcegos (foto de arquivo)
    © CC0 / Salmar
    Morcegos (foto de arquivo)

    O ZAP patrulha os pulmões humanos e é produzido em grandes quantidades na medula óssea e linfonodos, locais onde o sistema imunológico dá início a seu primeiro ataque.

    Contudo, alguns vírus – incluindo o novo coronavírus – são capazes de reagir, tornando a proteína antiviral ineficaz.

    Hipótese sobre cachorro

    Segundo o professor Xia, apenas genomas de coronavírus de cães têm valores de ZAP similares aos observados no SARS-CoV-2, afetando o sistema digestivo do hospedeiro, à semelhança do intestino humano.

    "Esta interpretação é corroborada por um relatório recente de que uma alta proporção de pacientes com COVID-19 também sofre de desconforto digestivo. Na verdade, 48,5% apresentavam sintomas digestivos como queixa principal", diz Xia.

    Além disso, amostras de fezes de sete de cada 10 pacientes deram positivo para SARS-CoV-2, tendo três deles diarreia.

    Cães têm por hábito lamber suas regiões anal e genital, facilitando a transmissão viral do aparelho digestivo para o sistema respiratório.

    Acredita-se que a doença tenha começado em dezembro em um mercado de frutos do mar em Wuhan, China, onde animais selvagens – incluindo marmotas, aves, coelhos, morcegos e cobras – eram comercializados.

    Negação da hipótese

    Para James Wood, especialista em medicina veterinária da Universidade de Cambridge, é difícil entender como o autor foi capaz de concluir "que o vírus causador da COVID-19 possa ter sido transmitido através de cães", afirmou, citado pelo tabloide britânico Daily Mail.

    Woods denuncia a existência de "poucos dados diretos. Eu não vejo nada neste artigo para apoiar esta suposição e estou surpreendido que este artigo tenha sido publicado nesta revista", acrescentando que este estudo não deveria preocupar nenhum dono de cachorro.

    Tema:
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)

    Mais:

    Cientistas estudam possível 'calcanhar de Aquiles' do coronavírus em busca de remédio
    Cientistas descobrem em Mianmar 6 novas estirpes de coronavírus em morcegos
    Novo estudo garante que SARS-CoV-2 é natural e não sintetizado em laboratório
    Tags:
    transmissão, morcego, cachorro, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar