22:31 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 91
    Nos siga no

    Artefatos raros de 3.300 anos foram descobertos em Israel por arqueólogos da Universidade Macquarie, na cidade bíblica perdida de Khirbet el-Rai que seria vinculada ao rei Davi.

    Pesquisadores descobriram na cidade perdida uma estatueta rara de Baal, o principal deus dos cananeus, e uma estatueta de bronze de um bezerro. Além disso, também foram desenterrados fragmentos de cerâmica cananeia e filisteia do século XII a.C.

    O deus cananeu Baal é retratado com uma aparência ameaçadora, preparado para destruir os seus inimigos, e a estatueta de bezerro fez lembrar aos arqueólogos do bíblico "bezerro de ouro".

    ​Estatuetas raras descobertas em cidade bíblica perdida.

    Os artefatos foram encontrados em diferentes locais no sítio arqueológico. As escavações revelaram as camadas dos séculos XII-X a.C. que abrangem o período da fundação cananeia da cidade e período quando era governada pelos filisteus, bem como pelo Reino de Israel de Judá.

    Além disso, foram reveladas as evidências de um incêndio, tijolos e madeira queimados, cinza branca, e numerosos vasos de cerâmica destruídos, o que coincide com o relato bíblico da cidade sendo invadida pelos amalequitas.

    Na Bíblia, no Livro de Samuel, o local coincide com a localização da antiga cidade filisteia de Ziclague. Segundo a Bíblia, o rei filisteu Aquis de Gate concedeu a cidade ao rei Davi, escreve site da Universidade Macquarie.

    Durante séculos, arqueólogos não sabiam a verdadeira localização de Ziclague, que desde 2018 é considerada estar localizada em Khirbet el-Rai.

    Mais:

    Arqueólogos acham no Egito 83 tumbas repletas de sarcófagos e peças de barro (FOTOS)
    Adaga romana de 2.000 anos é descoberta por estagiário de arqueologia (FOTOS)
    Arqueólogos encontram flecha viking de 1.500 anos em geleira na Noruega (FOTO)
    Tags:
    civilizações antigas, cidade antiga, Bíblia, arqueólogo, descoberta, arqueologia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar