22:29 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    140
    Nos siga no

    Tubarões e grandes prestadores marinhos evitam caçar em águas quentes equatoriais e preferem viver mais ao norte e ao sul, em zonas que compreendem a Europa, os Estados Unidos e a África do Sul.

    Os tubarões caçam nas águas da Europa, África do Sul e Estados Unidos porque não gostam das águas quentes equatoriais, indica um estudo científico da Universidade de Berna, cujos resultados foram publicados na revista Nature Communications.

    Especialistas analisaram os registros de ataques de grandes predadores às linhas de pesca oceânica entre 1960 e 2014, avaliando diversos incidentes envolvendo tubarões, atuns, peixes-espada, marlins e embarcações de pesca.

    Considerando o fato de que navios de pesca se distribuem de maneira desigual através dos oceanos, a equipe constatou que tubarões e outros grandes predadores eram encontrados com mais facilidade em latitudes médias do Atlântico, entre 30 e 60 graus ao norte e ao sul do equador.

    Estas zonas compreendem a Europa, os Estados Unidos e a África do Sul.

    Tubarão-branco na África do Sul
    © AP Photo / Schalk van Zuydam
    Tubarão-branco na África do Sul

    Foi descoberto o mesmo padrão em quatro bacias oceânicas diferentes. O número de predadores também diminui em direção aos polos. Portanto, estas espécies marinhas se concentram quase inteiramente em zonas de latitudes médias.

    Os autores do estudo afirmaram que estes resultados podem ajudar a explicar as recentes descobertas sobre o aumento da taxa de formação de novas e distintas espécies longe da linha do equador.

    Mais:

    Tubarão tenta a sorte, mas jaula impede ataque (VÍDEO)
    Pesquisadores criam novo material acústico inteligente inspirado na pele de tubarão
    Surfista dá 'soco em focinho' de tubarão após ter prancha mordida (FOTO)
    Tags:
    biologia, vida marinha, Linha do Equador, vida selvagem, tubarão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar