02:43 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Pessoa infectada poderia testar negativo quando a amostra de muco da faringe é mal coletada ou caso o vírus já tenha migrado para o trato respiratório inferior, segundo médicos.

    Embora a técnica de testes biológicos conhecida como Reação em Cadeia da Polimerase (PCR, na sigla em inglês) para detectar o coronavírus esteja bem dominada, resultados negativos nem sempre significam que a pessoa testada não está infectada, relata a France Info.

    As causas residem na técnica de coleta de amostras e nas características muito específicas da doença.

    Para Bruno Pozzetto, chefe do departamento de virologia do Centro Hospital Universitário de Saint-Etienne (Loire), na França, onde são feitas 300 triagens de COVID-19 todos os dias, a fiabilidade de um teste depende em 90% da qualidade da amostra, afirmou o médico, citado pelo portal.

    "O esfregaço deve ser coletado empurrando o cotonete pelo nariz para a parte de trás da garganta, para além da linha dos olhos. Há o risco de machucar um pouco o paciente, mas é indispensável para uma coleta bem-sucedida", explica o médico.

    No entanto, mesmo que a amostra tenha sido obtida de forma correta, muito depende ainda do momento em que o teste é feito, uma vez que a localização viral muda durante o curso da doença.

    O vírus migra

    De acordo com Bruno Pozzetto, após o 7º ou 8º dia, a infecção desce para o trato respiratório inferior. Nesta fase, é mais eficaz recorrer a lavagens broncoalveolares, por endoscopia, não sendo agora a RCP um método fiável de coleta de amostras. Durante esta operação, são introduzidas algumas dezenas de mililitros de soro fisiológico no fundo dos bronquíolos. Este soro é então reaspirado antes de ser colocado num frasco esterilizado.

    "Este é o melhor método de teste de uma infecção pulmonar, por temos certeza de que não será contaminada pela flora bacteriana presente na nasofaringe, na traqueia e no início dos bronquíolos", explica o especialista.

    Coleta de amostra de mucosa é suficiente?

    Nicolas Lévêque, chefe do departamento de virologia do Hospital Universitário de Poitiers, discorda do colega, opinando que na esmagadora maioria dos casos, o esfregaço nasofaríngeo, ou seja, a amostra de mucosa, é mais do que suficiente.

    "O esfregaço nasofaríngeo é suficiente em 99% dos casos para as formas comuns da doença, e, para além disso, é mais fácil de manusear em laboratório", disse o especialista, citado pela France Info, acrescentando que, por outro lado, "se o teste for negativo apesar de uma forte suspeita de infecção, pode ser necessário ir mais longe".

    Nestes casos, para além da lavagem broncoalveolar, o diagnóstico pode ser acompanhado por radiografias e tomografias dos pulmões.

    Mais:

    Trump diz considerar vetar voos do Brasil aos EUA por coronavírus
    Itália tem província quase 'imune' ao coronavírus na zona mais afetada e ninguém sabe razão
    Avião russo cheio de equipamentos médicos contra coronavírus parte para EUA (VÍDEO)
    Tags:
    testes, COVID-19, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar