13:07 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    150
    Nos siga no

    Físicos americanos realizam experimento e concluem que a matéria escura no espaço não emite raios X, ao contrário do que se pensava.

    Enquanto a ciência atual ainda carece de provas consistentes sobre a existência da matéria escura, dados pouco estudados do telescópio espacial de raios X XMM-Newton foram revisionados por três jovens cientistas das Universidades de Michigan e Califórnia, ambas nos EUA.

    Segundo eles, os sinais de raios X previamente registrados como oriundos da matéria escura no espaço foram erroneamente interpretados por um estudo publicado ainda em 2014 pelo Observatório Astrofísico Smithsoniano.

    Os neutrinos, que teriam ligação com a emissão de raios X e foram considerados como parte da matéria escura, obtidos em condições de laboratório não são os melhores candidatos a ingredientes da matéria escura, tal como o hipotético neutrino estéril, outra partícula semelhante e sem carga.

    O estudo de 2014 correlacionava a matéria escura a enigmáticas emissões de raios X provenientes de outras galáxias, enquanto os três cientistas se concentraram na nossa Via Láctea.

    Em seu experimento, os físicos observaram as regiões totalmente escuras da galáxia com o intuito de registrar alguma radiação semelhante que tivesse suas fontes na matéria escura mais próxima da Terra, conforme o estudo publicado pela revista Science.

    Sendo assim, se a matéria escura tivesse neutrinos, então também receberíamos raios X à medida que estas partículas se descompõem, pensaram os cientistas.

    "Para onde quer que olhemos, deveria ter um fluxo de matéria escura do halo da Via Láctea", declarou Nicholas Rodd, um dos físicos citado no site da Universidade de Michigan.

    Sem provas

    Após um ano de observação, o grupo não encontrou a emissão de raios X conforme antes se supunha.

    Contudo, o experimento não refuta que a hipotética matéria escura não seja feita de neutrinos estéreis, segundo o coautor Bejamin Safdi, mas que não existe evidência experimental da sua existência, como o estudo de 2014 afirmava.

    Tendo em conta o experimento, acredita-se que os raios X antes analisados sejam de elementos específicos dentro de gases quentes, ou de interações entre o plasma quente e as nuvens de gases frios.

    Mais:

    Fusão de 2 estrelas teria originado supernova azul gigantesca em galáxia vizinha
    Hubble tira FOTO de galáxia mostrando fenômeno de 'engarrafamento' espacial
    Sinais de rádio com 'estranha' frequência vindos de galáxia longínqua intrigam cientistas
    Tags:
    pesquisa científica, físico, raio X, experimento, Via Láctea, galáxia, matéria escura, espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar