22:23 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 191
    Nos siga no

    Misteriosa figura talhada em rocha encontrada no Irã, descrita como parte homem, parte louva-a-Deus, foi considerada um achado único.

    A descoberta ocorreu no sítio arqueológico de arte rupestre de Teymareh, no Irã, e vem relatada em um estudo de pesquisadores iranianos publicado no Journal of Ortophera Research e retrata uma criatura com seis membros, meio homem meio louva-a-deus.

    Enquanto os petróglifos retratam frequentemente animais maiores, já este, representando uma criatura de seis patas que parecia ser um invertebrado, é bem mais raro.

    Uma gravura única talhada em rocha foi encontrada no sítio de arte rupestre de Teymareh (distrito de Khomein), no Irã Central

    Os louva-a-deus fascinam os humanos há milhares de anos, sendo considerados insetos com poderes proféticos e sobrenaturais em algumas civilizações antigas.

    "Os louva-a-deus tinham grande valor para o povo mesopotâmico. No Livro Egípcio dos Mortos (escrito em papiro, 1555-1350 a.C.), aparecem como uma divindade menor do submundo e um guia que acompanha os mortos em seu caminho", refere-se no estudo.

    Os entomologistas juntaram-se por isso aos arqueólogos na tentativa de identificar a figura gravada (petróglifo) comparando-a com outras de seis patas ao redor do mundo, pois a arte rupestre esteve presente desde cedo na história da humanidade, datando-se os achados mais antigos desse tipo de arte do período Paleolítico Superior (aproximadamente 40.000 a.C.).

    A pequena gravura de 14 centímetros de altura foi encontrada pela primeira vez durante escavações em 2017 e 2018, mas não pôde ser identificada devido à sua forma incomum.

    As seis extremidades sugerem um inseto, enquanto a cabeça triangular com olhos grandes e antebraços que agarram são aparentemente de um louva-a-deus, um inseto predador que caça e captura presas como moscas, abelhas e até pequenas aves.

    Uma extensão na sua cabeça ajuda mesmo a reduzir a identificação a um gênero particular de louva-a-deus originário da região onde foi encontrada a gravura, a de Empusa.

    Segundo os autores, a gravura atesta que nos tempos pré-históricos, os louva-a-deus eram animais ligados ao misticismo.

    Mas mais misteriosas são as extremidades do meio, que terminam em laços ou círculos. O paralelo mais próximo em arqueologia é o "Squatter Man", uma figura petróglifa encontrada em todo o mundo representando uma pessoa ladeada por círculos.

    Atualmente, face às sanções impostas ao Irã, é impossível precisar com exatidão a época do petróglifo, por impossibilidade de usar materiais radioativos necessários para a datação por radiocarbono.

    Os autores do estudo, contudo, estimam que a gravura tem uma idade entre 40.000 e 4.000 anos.

    Mais:

    Raro broche romano de 1.800 anos é descoberto no Reino Unido (FOTOS)
    Capital perdida de antigo reino maia é descoberta no México (FOTOS)
    Exoplaneta mil vezes maior que a Terra é descoberto de forma inédita na Via Láctea
    Tags:
    arqueologia, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar