20:17 09 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    580
    Nos siga no

    Em um novo estudo, cientistas afirmaram ter encontrado evidências de que a Terra era coberta por um oceano global, que fez do nosso planeta um "mundo aquático" há mais de três bilhões de anos.

    Além disso, o estudo, publicado pela revista Nature Geoscience, aponta que há 3,2 bilhões de anos surgiram as primeiras espécies de criaturas microscópicas no planeta Terra, mesma época em que era coberto por um só oceano.

    Com a confirmação dos primeiros organismos unicelulares encontrados nas rochas oceânicas, pesquisadores poderão compreender como e onde emergiu a primeira vida unicelular na Terra e quais mundos poderiam ser habitáveis.

    Na ocasião, a Terra não possuía animais aquáticos, possuindo apenas pequenos organismos conhecidos como cianobactérias.

    "A Terra primitiva, lar de algumas das primeiras formas de vida de nosso planeta, pode ter sido um 'mundo de água' da vida real, sem um continente", segundo especialistas da Universidade do Colorado.

    A descoberta ocorreu graças às análises realizadas por Boswell Wing, da Universidade do Colorado, e seu ex-aluno, Benjamin Johnson.

    Outra descoberta foi que a água do mar continha mais oxigênio-18 quando a rocha foi formada, já que possivelmente, a Terra não tinha continentes naquela época, mas, sim, microcontinentes.

    Essas análises foram realizadas em rochas localizadas no interior do noroeste da Austrália, do período Paleoarqueano.

    Agora, cientistas pretendem explorar novas rochas em diferentes locais, como Arizona e África do Sul, em busca da origem dos continentes terrestres, que até hoje é um grande mistério.

    Mais:

    'Anjo da Morte pode estar se movendo agora pelo planeta', alerta pastor norte-americano
    Gelo polar no planeta vermelho desperta interesse da comunidade científica
    China leva rivalidade com Estados Unidos para outro planeta
    Tags:
    vida, oceano, continente, origem da vida, origem, estudo, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar