23:25 07 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Um peixe completamente herbívoro da costa oeste dos EUA poderia ser a solução para o aquecimento global e para as mudanças climáticas, que estão elevando as temperaturas na Terra.

    De acordo com uma equipe de cientistas universitários da Califórnia, o peixe da espécie Cebidichthys violaceus, também conhecido como enguia com cara de macaco, que habita as poças de maré do litoral da costa dos EUA no Pacífico.

    A espécie se alimenta de algas vermelhas e verdes, e possui um sistema digestivo similar ao dos humanos, conforme comunicado da Universidade da Califórnia.

    Agora, os pesquisadores procuram entender como a enguia consegue sobreviver em um ambiente onde as fontes de alimento possuem baixos níveis de lipídios, que são essenciais para todos os seres vivos.

    Ao sequenciar e montar o genoma de diversos exemplares, a equipe descobriu qual é o segredo da espécie, e que ele está no sistema digestivo do peixe. Isso porque a enguia possui uma excelente capacidade de degradar o amido, segundo o professor Donovan German, membro da equipe científica. Além disso, a enguia também é capaz de respirar por até 37 horas fora d'água.

    "E também aprendemos que ela foi adaptada para ser muito eficiente destruindo lipídios, apesar de os lipídios representarem apenas 5% da composição das algas. É um exemplo convincente do que chamamos de 'especialização digestiva' no genoma", observou.

    Trata-se de uma das aproximadamente 1.500 espécies de peixes herbívoros que vivem no planeta, e devido a esta dieta, a espécie poderia ser muito atrativa para a piscicultura, que seria muito mais sustentável em comparação com a criação de peixes ou animais carnívoros, cujos custos ambientais e econômicos são elevados.

    "A utilização dos ingredientes alimentícios a base de plantas reduz a contaminação e custa menos", afirmou Joseph Heras, principal autor do estudo, publicado pela revista Proceedings of the Royal Society B.

    Além disso, o sequenciamento do genoma do peixe "permite compreender melhor que tipos de genes são necessários para decompor o material vegetal".

    Mais:

    Pedaço de gelo de 2 milhões de anos pode 'descongelar' história das mudanças climáticas na Terra
    Geleira mais espessa do mundo sucumbe a mudanças climáticas e começa a derreter (FOTO)
    'Mudanças climáticas existem?', coloca em cheque diretora do Ministério da Agricultura
    Tags:
    cientistas, estudo, mudança climática, aquecimento global, peixes, peixe
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar