23:26 07 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 140
    Nos siga no

    Antigos tatus gigantes que habitavam a Terra há aproximadamente 20.000 anos foram descobertos na Argentina.

    A descoberta foi feita por um fazendeiro, que encontrou um "cemitério" com couraças fossilizadas de quatro grandes gliptodontes, mamíferos pré-históricos com mais de uma tonelada que habitavam a América do Sul.

    As couraças foram encontradas próximo de Buenos Aires, no leito seco de um rio. Ao encontrar os dois primeiros fósseis, o fazendeiro informou os órgãos responsáveis. Pouco depois, os paleontologistas encontraram outras duas couraças durante a escavação do local.

    Gliptodontes encontrados na Argentina
    Gliptodontes encontrados na Argentina

    Uma análise mais profunda será realizada para determinar a causa da morte, sexo, idade e peso dos "tatus" gigantes, conforme o portal Metro.

    O arqueólogo Pablo Messineo e sua equipe realizaram a escavação e retiraram os animais pré-históricos.

    "É a primeira vez que encontramos quatro animais desse tipo no mesmo local. Eles estavam todos na mesma direção, como se estivessem caminhando em direção a algo", afirmou Messineo.

    Gliptodontes encontrados na Argentina
    Gliptodontes encontrados na Argentina

    Os gliptodontes eram uma espécie de mamíferos herbívoros com uma couraça óssea, como uma tartaruga, sendo parentes distantes dos tatus. Esses animais eram enormes, de tamanho semelhante a um Fusca. Além disso, acredita-se que eles tenham sido extintos há 10.000 anos.

    Em outras ocasiões, fósseis da mesma espécie foram encontrados no Brasil, Uruguai e Argentina.

    Mais:

    Avanço: Argentina e FMI negociam novo programa de financiamento da dívida
    Dívida da Argentina é insustentável, afirma FMI
    Relações argentino-russas são melhores que com países anglo-saxônicos, diz especialista argentino
    Tags:
    Argentina, pré-histórico, cientistas, tatu, arqueologia, descoberta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar