18:10 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1125
    Nos siga no

    Um grupo de cientistas de nove países emitiu uma declaração conjunta em que censuram o que dizem circular teorias de conspiração de que o surto de SARS-CoV-2 tem origem artificial.

    Um grupo de cientistas de nove países emitiu uma declaração condenando os rumores de que a nova estirpe de coronavírus detectada na China é de origem artificial.

    "Estamos unidos na condenação veemente das teorias conspiratórias de que COVID-19 não tem origem natural", diz a declaração, publicada na revista médica Lancet.

    O comunicado observa que "cientistas de numerosos países publicaram e analisaram os genomas do agente causador [da doença], o coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), e a maioria concluiu que é um coronavírus de origem selvagem, como muitos outros agentes patogénicos emergentes".

    "As teorias da conspiração nada mais fazem do que criar medo, rumores e preconceitos que põem em perigo nossa colaboração global na luta contra este vírus", sublinha o texto.

    A carta expressa solidariedade com os cientistas e médicos chineses, que "continuam salvando vidas e protegendo a saúde global face ao desafio colocado pelo surto de COVID-19".

    Para deter propagação do coronavírus, homem aplica desinfetante em mercado na China
    © AP Photo / Ahn Young-joon
    Para deter propagação do coronavírus, homem aplica desinfetante em mercado na China

    A declaração foi assinada por 27 cientistas da Austrália, China, Alemanha, Itália, Malásia, Países Baixos, Espanha, Reino Unido e EUA.

    História do coronavírus

    No final de 2019, a China relatou um surto de pneumonia causado por uma nova estirpe de coronavírus que teve seu epicentro na cidade chinesa de Wuhan, capital da província de Hubei.

    O vírus se chamava 2019-nCoV, entretanto renomeado para SARS-CoV-2, e a doença que causa, COVID-19. Até agora, foram notificados por causa do vírus mais de 75.700 casos e 2.129 mortes em 30 países.

    A maioria dos casos confirmados (75.761) e das mortes (2.118) ocorreram na China continental, e outras 16.342 pessoas tiveram alta médica no país.

    Mais:

    Banco Central da China irá destruir cédulas para combater coronavírus, diz jornal
    Hospital construído em 10 dias na China começa a apresentar problemas (VÍDEOS)
    Segundo exame relata ausência de coronavírus em grupo de brasileiros vindos de Wuhan
    Iranianos mortos pelo coronavírus não tiveram contato com chineses
    Criado 1º mapa 3D do coronavírus que pode apoiar potencial vacina (FOTO)
    Tags:
    EUA, Reino Unido, Espanha, Países Baixos, Malásia, Itália, Alemanha, Austrália, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar