03:04 02 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    354
    Nos siga no

    O Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra da NASA disse em comunicado que um asteroide potencialmente perigoso passará bem perto da Terra neste sábado (15).

    Se trata do objeto espacial 163373, também chamado de 2002 PZ39, que tem entre 440 e 900 metros de diâmetro e passará a uma distância de apenas 6 milhões de quilômetros do nosso planeta.

    O comunicado da NASA informa que o referido asteroide irá passar muito próximo da Terra, catalogando-o de "objeto potencialmente perigoso", o que deixou a comunidade astronômica em alerta.

    Representa esta aproximação uma verdadeira ameaça?

    Os cientistas buscaram dados adicionais para responder a esta pergunta, tendo em conta o impacto do comunicado da NASA nas redes sociais, que não hesitaram em o apelidar de "potencialmente mortal" o asteroide que passará de raspão pela Terra exatamente no dia seguinte ao Dia de São Valentim.

    O comunicado da agência espacial norte-americana revela que a rocha espacial se move a uma velocidade de 55 mil quilômetros por hora.

    Estima-se que a enorme rocha espacial, identificada como objeto próximo à Terra, que é como são apelidados os objetos "potencialmente perigosos", passará a uma distância de 0,03860 unidades astronômicas, ou seja 5,77 milhões de quilômetros. Uma unidade astronômica representa a distância da Terra ao Sol, que é de cerca de 149,6 milhões de quilômetros.

    Embora esta distância pareça suficientemente grande para não nos cruzarmos com a rocha espacial, as trajetórias orbitais podem se alterar durante todo o tempo e as consequências de um impacto poderiam ser devastadoras, escreve a NASA.

    Mais:

    Deslizando na borda do Sol: sonda da NASA quebra 2 recordes históricos perto do enorme astro
    Telescópio da NASA tira FOTO fantasmagórica de galáxia espiral com 'braços abertos'
    Tags:
    risco de colisão, corpo celeste, NASA, Terra, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar