15:20 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4233
    Nos siga no

    De acordo com uma crença comum, quando os colonizadores europeus chegaram à Ilha de Páscoa, no Chile, a sociedade nativa já estava em declínio, embora recentes pesquisas sugiram outras teorias.

    Ao contrário da teoria de que o processo foi interrompido em 1600, descobriu-se que a população aborígene estava construindo seus monumentos icônicos no século XVIII.

    Em 1770, quando os europeus chegaram à ilha, a sociedade aborígene ainda estava funcionando normalmente. Entretanto, logo entrou em rápido declínio devido a doenças, assassinatos e escravidão, relata o Phys.org.

    Acredita-se que a Ilha de Páscoa, atualmente território chileno, foi colonizada no século XIII por navegadores polinésios.

    Os pesquisadores processaram dados de radiocarbono em amostras de 11 locais da ilha e os compararam com os registros contemporâneos, concluindo que quando os colonos espanhóis e holandeses desembarcaram na ilha em 1770 e 1772, respectivamente, os famosos moais (monumentos também conhecidos como Cabeças da Ilha de Páscoa) ainda estavam em bom estado.

    Vista de Moai - esculturas de pedra na Ilha de Páscoa a 3.700 quilômetros da costa chilena no oceano Pacífico
    © AFP 2020 / GREGORY BOISSY
    Vista de Moai - esculturas de pedra na Ilha de Páscoa a 3.700 quilômetros da costa chilena no oceano Pacífico

    Os registros limitados daquela época indicam que a sociedade estava prosperando. No entanto, quando o navegador britânico James Cook chegou, em 1774, ele observou uma ilha em crise.

    "O pensamento geral tem sido que a sociedade que os europeus viram quando apareceram pela primeira vez era uma que tinha colapsado", explicou Robert DiNapoli, do Departamento de Antropologia da Universidade de Oregon, que liderou o estudo publicado na Journal of Archaeological Science.

    Na realidade, a sociedade insular ainda não havia experimentado um colapso, uma vez que "a construção de monumentos e o investimento ainda eram partes importantes de suas vidas quando estes visitantes chegaram", concluíram os pesquisadores.

    "Assim que os europeus chegam à ilha, há muitos eventos trágicos documentados devidos a doenças, assassinatos, incursões para tomar escravos e outros conflitos", explicou o coautor da pesquisa Carl Lipo, antropólogo da Universidade de Binghamton em Nova York.

    Mais:

    Ilha de Páscoa: pesquisadores desvendam enigma de localização dos moais
    Saiba de onde civilização da Ilha de Páscoa extraía recurso vital para sobreviver
    Finalmente revelado segredo dos famosos moais da Ilha de Páscoa
    Tags:
    aborígene, escravidão, doenças, colonização, colapso, Ilha de Páscoa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar