13:27 04 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4200
    Nos siga no

    China decide recorrer a inteligência artificial, robôs e alta tecnologia no combate à epidemia de coronavírus.

    Habitantes de Xangai, cidade situada em uma das zonas de maior risco, têm recebido chamadas de robôs com sistema de reconhecimento de voz, que recolhem dados e questionam os cidadãos sobre o seu estado de saúde.

    O robô não se limita a receber informação. Ele próprio recomenda o que fazer e como atuar, consoante os sintomas que lhe sejam apresentados.

    Homem tentando tocar mão robótica na Conferência Internacional de Robôs Humanoides em Madri (foto de arquivo)
    © AP Photo / GERARD JULIEN
    Homem tentando tocar mão robótica na Conferência Internacional de Robôs Humanoides em Madri (foto de arquivo)

    A empresa Baidu informou que desenvolveu um sistema dotado de câmera que escaneia as pessoas em meio a uma densa multidão e é capaz de detectar quem apresenta temperaturas corporais elevadas.

    O gigante Alibaba, por seu turno, comunicou ter disponibilizado todo o seu manancial técnico para ajudar ao sequenciamento genético do vírus.

    Esforços não faltam. Mas poderá a alta tecnologia se revelar realmente como um precioso aliado no combate ao coronavírus?

    O governo chinês tem recorrido a drones – sobretudo em áreas de fraca densidade populacional ou mesmo inóspitas – para detectar infrações às normas profiláticas de combate ao vírus.

    O respeito pelas normas elementares de prevenção, como o uso de máscaras ou proibição de ajuntamentos públicos, é escrutinado por drones.

    Caminhando sem máscara de proteção na face? Não julgue que escapa aos nossos drones de língua afiada! Muitas povoações e cidades na China estão usando drones equipados com alto-falantes para patrulhar durante o surto do coronavírus.

    As autoridades governamentais aconselham os cidadãos a somente sair de casa em casos de extrema necessidade e a evitar locais de grande congestionamento público, como estações de trem e aeroportos. E usar sempre a máscara.

    Na luta contra a epidemia têm sido implementadas, em primeiro lugar, as medidas clássicas neste tipo de situação – quarentena e procura exaustiva de uma vacina.

    Outra medida habitual é proceder ao rastreio das populações das zonas de maior incidência e de grupos de risco. Trabalho que se revela lento e pouco produtivo. Um profissional de saúde necessita de várias horas para rastrear 200 cidadãos.

    Um robô programado para o efeito, e capaz de efetuar várias chamadas em simultâneo, faz o mesmo serviço em meros cinco minutos.

    As tecnologias de inteligência artificial (IA) e robótica permitem não só salvaguardar de contaminação os profissionais de saúde, como asseguram uma maior e melhor produtividade, afirmou à Sputnik China o professor Xu Canhao do Instituto de Eletrônica, Computação e Tecnologia da Universidade de Soochow.

    "Em termos de tecnologia, o uso de robôs ajuda a prevenir a propagação da epidemia porque eles não são suscetíveis a vírus biológicos. Portanto, eles podem substituir as pessoas em muitos trabalhos de prevenção e controle da propagação de epidemias e resposta a desastres", assegurou o professor.

    Para sublinhar sua posição, Xu relembrou o papel fulcral desempenhado por robôs no desastre nuclear de Fukushima, Japão, em 2011, evitando a exposição humana à radiação em muitos dos trabalhos de contenção e reparação.

    Projeto de lei em análise na Câmara dos Deputados propõe isenção por um período de dois anos, prorrogáveis por mais dois, a empresas de tecnologia com receita trimestral de até R$ 60 mil e no máximo quatro empregados
    © AFP 2020 / ALAIN JOCARD
    Placa-mãe

    Xu realçou igualmente o papel que as ciências de computação podem desempenhar, aludindo ao trabalho conjunto que a Huawei e a Huazhong estão efetuando no desenvolvimento de uma vacina para o vírus com recurso à inteligência artificial.

    O método mais simples de rastreio continua sendo a medição da temperatura corporal. Contudo, é completamente impraticável em locais de grande aglomeração de público. Se formariam filas intermináveis e os profissionais de saúde ficariam demasiado expostos a contágio.

    Os novos métodos de combate a epidemias

    Para contornar o problema, e como já se referiu acima, a Baidu acaba de anunciar ter desenvolvido um sistema com recurso a IA que detecta no meio de uma multidão, mesmo que enorme, quem se apresenta com temperatura corporal elevada. Fixado o cidadão pela máquina, é a vez de os profissionais de saúde intervirem.

    A tecnologia também se revela fundamental no processamento do enorme manancial de dados sobre o coronavírus que vão se acumulando. Esses dados são importantes, quer no combate à epidemia presente quer para precaver futuras.

    Xu chamou a atenção que nas revistas científicas Nature e The New England Journal of Medicine foram publicados previamente artigos sobre o surgimento da atual estirpe de coronavírus. No entanto, a informação não circulou de forma célere pelos canais científicos.

    Esse problema poderia ser colmatado com recurso à IA, que trataria os dados de uma maneira rápida e eficaz.

    "Se o vírus tivesse sido detectado precocemente, teríamos reduzido as perdas ao mínimo e evitado a epidemia", garantiu o professor Xu, que acrescentou ser fundamental no futuro optar logo pelas novas tecnologias ao invés de medidas como as empreendidas agora e que se revelaram uma grande perda de tempo e recursos.

    A 'sabedoria' da inteligência artificial

    A inteligência artificial tem uma peculiaridade: quanto mais dados acumula mais depressa "aprende".

    Por isso, a China, com sua enorme população, tem possibilitado uma recolha massiva de dados, encontrando-se por isso na vanguarda do desenvolvimento da IA.

    Empresas como a Tecent já produziram programas informáticos que ajudam os médicos na detecção de câncer em simples raios X.

    Por enquanto, não há ainda dados suficientes sobre o coronavírus para que se possa dar um passo similar. Mas as bases de dados estão crescendo, as máquinas vão os assimilando e brevemente poderemos ter novidades na prevenção, tratamento e extirpação do vírus com a ajuda da inteligência artificial.

    Mais:

    Pessoas já trocam parceiros por bonecas sexuais com inteligência artificial, revelam produtores
    Rússia planeja criar base lunar operada por robôs para proteger Terra contra asteroides
    Cientistas russos criam novos materiais 'smart' com propriedades inéditas
    Tags:
    vírus, novas tecnologias, epidemia, medicina, inteligência artificial, robô, drone
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar