22:15 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Um monólito de 2.000 anos de idade, localizado na selva peruana e decorado com círculos espirais e dentes felinos, ganhou escâner 3D.

    Localizada em um vale montanhoso remoto na selva peruana, a pedra esculpida é conhecida apenas por habitantes locais e um pequeno grupo de exploradores. No entanto, agora o monólito passou por uma varredura tridimensional para desvendar desenhos ocultos.

    De acordo com o jornal Live Science, o engenheiro de aplicação Jason Kleinhenz, da Exact Metrology, digitalizou a pedra e revelou que os padrões são "abstratos, ornamentados e difíceis de descrever com palavras". Entre os desenhos, o engenheiro encontrou um círculo com um buraco no centro, uma série de linhas retas que irradiam para fora e dois dentes de um deus felino com penas.

    Monólito de pedra com gravuras de 2.000 anos encontrado na selva peruana
    Monólito de pedra com gravuras de 2.000 anos encontrado na selva peruana
    O objetivo do estudo era recriar os desenhos esculpidos no monólito que estão em perigo de erosão. Arqueólogo Daniel Fernández-Dávila afirmou que a equipe chegou a sugerir que as antigas gravuras pudessem ter sido corroídas por completo. Porém, os restos dos desenhos ainda eram visíveis a olho nu e o escâner 3D capturou vários detalhes como, por exemplo, dentes de uma "figura felina com penas".

    A presença deste deus retratado sugere aos arqueólogos que as gravuras foram feitas entre 200 a.C. e 200 d.C., ou seja, em uma época sem sistema de escrita no Peru.

    Arqueólogo se referiu à imagem felina esculpida como sendo "icônica", e não excluiu a possibilidade ds outras imagens estarem associadas à divindade felina.

    Mais:

    Cientistas encontram 'monstros' em desenhos do deserto de Nazca no Peru (FOTO)
    Arqueólogos encontram cemitério real com criança tatuada no Peru (VÍDEO)
    Tags:
    ídolos, símbolo, arqueologia, América do Sul, cultura indígena, Peru
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar