08:43 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    151
    Nos siga no

    NASA detecta asteroides gigantes voando a mais de 98 mil km/h passando perto da Terra, enquanto um deles voltará a se aproximar do planeta.

    Enquanto os cientistas da NASA e de outras agências mantêm constante vigilância no espaço, dois asteroides de grande dimensão passaram próximo ao nosso planeta sob o olhar dos cientistas ontem (20).

    O primeiro deles foi o 2020 AQ1. De cerca de 230 metros de diâmetro, o corpo celeste passou a cerca de 4 milhões de quilômetros da Terra, distância considerada pequena se comparada com os quase 150 milhões de quilômetros entre o Sol e a Terra. Sua velocidade passava os 98 mil km/h.

    A aproximação do asteroide se deu às 2h54 de ontem. Contudo, o asteroide deve voltar a se aproximar da Terra em 23 de agosto de 2104, conforme publicou o tabloide Daily Star.

    Por sua vez, o asteroide 2013 DU, de 93 metros de diâmetro, se aproximou de nosso planeta às 23h19 de ontem, a uma velocidade de 22.894 km/h.

    Mais distante que o primeiro asteroide, o 2013 DU teve seu ponto mais próximo da Terra a cerca de 12 milhões de quilômetros.

    Sistemas de alerta falíveis

    Ainda de acordo com a mídia, citando fontes científicas, os sistemas de alerta de aproximação de asteroide podem falhar, inclusive não detectando asteroides capazes de destruir cidades inteiras.

    Um asteroide de 49 metros de diâmetro seria o suficiente para atingir uma área do tamanho da cidade de São Paulo.

    Enquanto isso, alguns cientistas acreditam que cedo ou tarde a Terra será alvo de um grande impacto com um asteroide.

    Mais:

    Dinossauros foram extintos por impacto de asteroide, defende pesquisa científica
    Descoberto 1º asteroide a orbitar completamente dentro da órbita de Vênus (VÍDEO)
    Vida alienígena poderia ser encontrada em asteroides neste ano, segundo cientistas
    Tags:
    destruição, Terra, corpo celeste, meteorito, meteoro, NASA, colisão, Espaço, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar