02:09 06 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    151
    Nos siga no

    Astrônomos descobriram que uma colisão com uma galáxia satélite deixou a Via Láctea repleta de estrelas, e graças a uma dessas estrelas é possível notar quando isso ocorreu.

    A Nu Indi ou HD 211998 é uma velha estrela pobre em metal, sendo aproximadamente três vezes maior que o Sol, porém possuindo apenas 85% da massa solar. Além disso, ela está localizada a 94 anos-luz de distância, na constelação Indus.

    De acordo com análise espectroscópica da composição química, a estrela nasceu na Via Láctea, entretanto seu movimento através da galáxia foi alterado pela colisão com a Gaia-Enceladus, a maior galáxia já devorada pela Via Láctea, segundo o Science Alert.

    "Como o movimento da Nu Indi foi afetado pela colisão, essa mesma colisão deve ter ocorrido depois de a estrela ter sido formada", explicou o astrofísico Bill Chaplin, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, que ressalta que caso seja possível determinar a idade desta estrela, então também será possível saber quando a colisão ocorreu.

    A metalicidade é uma pista, já que os metais não existiam até que algumas estrelas já tivessem vivido e morrido, criando elementos pesados à medida que explodiam em supernovas.

    Além disso, a asterosismologia pode revelar detalhes precisos sobre as propriedades de uma estrela. A asterosismologia é baseada nas frequências de oscilação das estrelas, que estão ligadas com as propriedades do interior da estrela, ou intensidade das pulsações.

    Estrela Nu Indi (HD 211998), localizada a 94 anos-luz de distância da Terra
    Estrela Nu Indi (HD 211998), localizada a 94 anos-luz de distância da Terra

    De acordo com dados obtidos pelo Telescópio TESS da NASA, a Nu Indi tem aproximadamente 11 bilhões de anos.

    Dessa maneira, um estudo, publicado na revista Nature Astronomy, supôs que a propagação da fusão pela galáxia indicaria que a colisão possa ter começado entre 11,6 bilhões e 13,2 bilhões de anos.

    "Este estudo demonstra o potencial da asterosismologia com o TESS, e o que é possível quando há uma diversidade de dados disponíveis em uma única estrela brilhante", concluiu Chaplin.

    Mais:

    Hubble encontra menor aglomerado de matéria escura já visto (FOTO)
    Coração luminoso de galáxia espiral é fotografado pelo Hubble (FOTO)
    Suposta maior galáxia do Universo é encontrada pelo telescópio Hubble (FOTO)
    Tags:
    telescópio, NASA, estudo, galáxias, galáxia, estrelas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar