23:51 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 82
    Nos siga no

    Em abril de 2017, uma bola de fogo passou pelos céus da cidade japonesa de Kyoto, levantando questões sobre sua possível origem e identidade cósmica. Posteriormente, foi determinado que o intruso partiu de um asteroide próximo à Terra.

    Pesquisadores do Observatório Astronômico Nacional do Japão, da Universidade Sangyo de Kyoto e da Sociedade de Meteoros Nippon determinaram a origem de uma bola de fogo que ascendeu os céus do Japão no dia 29 de abril de 2017, enquanto avisam sobre eventuais perigos que asteroides representam para nosso planeta, revela publicação do The Astronomical Journal.

    "Nós descobrimos a verdadeira identidade da bola de fogo", declarou Toshihiro Kasuga, um dos pesquisadores envolvidos, conforme citado pela imprensa do Observatório. "Possui uma órbita similar ao asteroide próximo da terra 2003 YT1, que aparentemente é um corpo da mesma família."

    2003 YTI, ou 164121, é um asteroide binário que foi descoberto em 2003 e classificado como objeto próximo à Terra e pedra espacial potencialmente perigosa, de aproximadamente dois quilômetros de diâmetro.

    Pesquisadores alertam que, caso este asteroide se rompa completamente em pequenas pedras, haveria um risco para o planeta Terra, porém, não em um futuro próximo.

    "O corpo principal 2003 YTI poderia se romper e os asteroides resultantes poderiam se chocar contra a Terra nos próximos dez milhões de anos ou depois, especialmente porque o 2003 YTI possui um mecanismo de proteção de poeira", afirma Kasuga.

    A equipe de cientistas informou que continuará monitorando qualquer objeto potencialmente perigoso que circule em volta da Terra.

    Mais:

    Vida alienígena poderia ser encontrada em asteroides neste ano, segundo cientistas
    'Desmancha-prazeres' do Natal se aproxima da Terra em forma de asteroide
    Asteroide passará perto da Terra hoje a quase 30 mil km/h
    Tags:
    pesquisa, astrologia, Apocalipse, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar