17:50 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    240
    Nos siga no

    Um cientista da Universidade Estadual de Louisiana propôs que antes teria havido uma estrela companheira ao lado da estrela Betelgeuse.

    Betelgeuse é uma estrela invulgar. Um novo modelo sugere que o corpo celeste esteve outrora dividido em duas estrelas, até que a estrela maior engoliu a menor, causando mudanças nas suas propriedades que continuam levantando dúvidas até hoje.

    Sua localização, a uma distância suficientemente próxima da Terra para se poder apreciar sua superfície com telescópios, permitiu aos cientistas determinar sua velocidade de rotação entre 17.700 e 53.000 km/h, um valor muito alto. Isto foi explicado por Manos Chatzopoulos, astrônomo da Universidade Estadual de Louisiana (EUA).

    Betelgeuse tem a peculiaridade de, embora já tenha entrado na sua fase de gigante vermelha, não ter reduzido a sua velocidade de rotação, ao contrário do que normalmente acontece nesta fase, e além disso é uma estrela fugitiva, que se desloca pelo espaço com uma velocidade invulgarmente elevada em comparação com outras estrelas à sua volta.

    "Ninguém tentou explicar a combinação destes dois fatores. Como estariam interligados?", refletiu o cientista.

    Teorias

    Há duas considerações que devem ser levadas em conta a este respeito.

    Em primeiro lugar, se acredita que Betelgeuse teve origem em uma região de alta densidade estelar conhecida como a associação estelar OB1a de Órion, onde a interação com suas muitas estrelas teria feito com que Betelgeuse voasse para longe, e esta seria a razão de sua hipervelocidade.

    Por outro lado, as evidências observadas por Chatzopoulos e sua equipe parecem sugerir que a estrela pode ter tido uma companheira de tamanho menor que Betelgeuse engoliu, e isso teria causado uma agitação em suas camadas externas, levando a um aumento na sua velocidade de rotação.

    A quantidade anormalmente grande de nitrogênio observada na atmosfera de Betelgeuse é outro fator que só corroboraria estas conclusões: a presença de uma estrela companheira teria causado o deslocamento do nitrogênio presente no centro de Betelgeuse para o seu exterior.

    Não é a primeira vez que se estuda a possibilidade de Betelgeuse ser uma fusão de duas estrelas: outros cientistas, como o próprio diretor de tese de Chatzapoulos, já investigaram essa possibilidade no passado, e esta última pesquisa foi recebida como um passo positivo para uma melhor compreensão do fenômeno de Betelgeuse.

    Quanto à possibilidade recentemente especulada de Betelgeuse explodir e se tornar uma supernova, Chatzoupulos apontou que, se sua teoria se confirmar, isso poderia significar que a estrela se rejuvenesceu ao fundir-se com o material da estrela companheira que engoliu, o que atrasaria sua explosão. Em qualquer caso, o cientista comentou com algum desapontamento que "todos os que estudamos as supernovas queremos que isso aconteça antes de morrermos".

    Mais:

    Cientistas preveem catástrofe climática na Europa
    Cientistas teriam descoberto cratera de meteorito que impactou a Terra há 790 mil anos
    Vida alienígena poderia ser encontrada em asteroides neste ano, segundo cientistas
    Tags:
    estrelas, espaço
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar