00:30 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    361
    Nos siga no

    O buraco negro supermassivo Messier 87 ganhou fama no ano passado ao se tornar o primeiro buraco negro a ser fotografado. Recentemente, astrônomos notaram que o M87 gira tão rápido que está perto de romper as leis da física.

    O gigante espacial, localizado a 55 milhões de anos-luz do nosso planeta, emite um jato de partículas de alta energia do centro a uma velocidade que parece ser maior do que a velocidade da luz, o limite de velocidade do nosso Universo.

    "Esta é a primeira vez que são registradas as velocidades tão extremas de um jato de um buraco negro utilizando dados de raios X", explicou o astrônomo Ralph Kraft, antes de esclarecer que utilizou o observatório de raios X Chandra para detectar a velocidade do M87.

    No entanto, apesar de parecer ser mais rápido que a velocidade da luz, o M87 não a supera. Brad Snios, o coautor do estudo sobre a velocidade do buraco negro, explica que o fenômeno está relacionado ao "movimento superluminal".

    "Uma das leis inquebráveis da física é que nada pode se mover mais rápido do que a velocidade da luz. Não quebramos a física, mas encontramos um exemplo de um fenômeno surpreendente chamado movimento superluminal", afirmou Snios, citado pelo portal phys.org.

    O movimento superluminal ocorre quando os objetos viajam perto da velocidade da luz em uma direção que se encontra perto da nossa linha de visão. O jato se desloca até nós quase tão rápido como a luz que gera, proporcionando a ilusão do que seu movimento é muito mais rápido do que a velocidade da luz, quando, na realidade, não é.

    Mais:

    Confira planeta 'habitável' recém-descoberto pela NASA (VÍDEO)
    FOTOS infravermelhas da NASA mostram centro da Via Láctea em detalhes inéditos
    De olho em exoplanetas: método inovador pode ser a chave para achar vida longe da Terra
    Tags:
    Espaço, velocidade da luz, velocidade, buraco negro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar