19:43 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    6333
    Nos siga no

    Um astrofísico pode ter encontrado teoricamente uma maneira de viajar no tempo, através de uma equação científica, que poderia ser a base da máquina do tempo.

    Em declaração à CNN, o astrofísico da Universidade de Connecticut Ron Mallett explicou que obteve uma equação científica que pode ser utilizada na construção de uma máquina do tempo.

    Com base na teoria de Albert Einstein, onde se afirma que o tempo acelera ou desacelera dependendo da velocidade com que um objeto está se movendo, Mallett criou seu protótipo da máquina do tempo.

    Com base na teoria, se uma pessoa estivesse em uma nave espacial, viajando quase na velocidade da luz, o tempo passaria mais lentamente, ou seja, o astronauta poderia percorrer o espaço em menos de uma semana, e quando retornasse à Terra já teriam passado 10 anos, como se ele tivesse viajado para o futuro.

    Além disso, Mallett acredita que seja possível "voltar ao passado" com a utilização de lasers, o que dependeria da teoria geral da relatividade, onde os objetos massivos dobram o espaço-tempo, ou seja, quanto maior a gravidade, menor o tempo.

    "Se pudermos dobrar o espaço, há a possibilidade de torcer o espaço [...] Ao estudar o tipo de campo gravitacional produzido por um laser em anel, pode levar a uma nova forma de olhar para a possibilidade de uma máquina do tempo baseada em um feixe de luz circulante", afirmou Mallett.

    Apesar de todo entusiasmo, poucos cientistas acreditam no sucesso da máquina do tempo, já que, segundo o astrofísico Paul Sutter, "existem falhas profundas na matemática e na teoria".

    Mais:

    NASA descobre misterioso buraco negro que desafia teoria de Einstein (FOTO)
    Proposta interpretação inédita da teoria de Einstein: tempo existia antes do Big Bang
    Einstein deduziu? 1ª foto de buraco negro confirma teoria da relatividade
    Tags:
    Albert Einstein, cientistas, astrofísica, estudos, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar