09:53 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    171
    Nos siga no

    Experimentos realizados na EEI mostraram como comportamento do fogo no espaço é diferente do na Terra, o que o tornaria mais perigoso fora do planeta.

    Durante uma série de experimentos com fogo na Estação Espacial Internacional (EEI), chamados de Combustão Confinada, os astronautas e cientistas da NASA observaram como a ausência de gravidade influencia o fogo.

    Conforme informou o portal Express, na Terra a gravidade empurra o ar mais frio para a base da chama deslocando o ar quente para cima durante uma queima. Tal fenômeno acaba por abastecer a chama com oxigênio fresco, enquanto o fluxo de ar quente para cima dá o formato alongado das chamas, assim como visto na queima de um fósforo.

    Contudo, de acordo com Paul Ferkul, especialista da Associação das Universidades de Pesquisas Espaciais (USRA, na sigla em inglês) nos EUA, a ausência de gravidade muda o formato da chama.

    "Removendo a gravidade, a circulação de ar natural é eliminada, enquanto o ar quente não sobe", afirmou o cientista.

    Na foto a seguir é possível ver como o fogo se comportou na EEI.

    Experimento com fogo na Estação Espacial Internacional em ausência da gravidade
    © Foto / ISS / NASA / ESA
    Experimento com fogo na Estação Espacial Internacional em ausência da gravidade

    Desta forma, a chama pode ser esférica ou alongada, de acordo com fluxos externos de ar, o que a torna mais perigosa.

    Ainda de acordo com a mídia, os experimentos com o fogo foram feitos para criar melhores condições de segurança contra incêndio na EEI e em futuras viagens tripuladas à Lua.

    Mais:

    NASA compartilha FOTO de geoglifo misterioso em planalto australiano
    FOTO da NASA revela figura com linhas retas na superfície de Marte
    NASA mostra 'flocos de neve cósmicos' no Cluster da Árvore de Natal (FOTO)
    Tags:
    experimento, NASA, Estação Espacial Internacional, chamas, espaço, gravidade, fogo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar