06:39 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4115
    Nos siga no

    Tecnologia que permitirá seres humanos utilizarem inteligência artificial para programar o cérebro e reproduzir fantasias está perto de ser criada, segundo cientista.

    De acordo com a pesquisadora Isabel Millar, especialista em inteligência artificial, os seres humanos poderão em breve carregar em seu cérebro chips capazes de promover fantasias diversas, o que, segundo ela, levanta muitas questões.

    Conforme publicou o tabloide Daily Star, o desenvolvimento da inteligência artificial permitirá, além da integração dos chips com o cérebro humano, passar as personalidades humanas a robôs e vice-versa.

    Contudo, a fusão entre homem e máquina levanta a dúvida até onde o ser humano seria um indivíduo.

    "Quando começarmos a ter a ideia de programar genuinamente partes do cérebro e a subjectividade das pessoas, então iremos falar sobre diferentes questões quanto a consentimento e relacionamentos", declarou a especialista em uma conferência da empresa de inteligência artificial Raspberry Dream Labs, em Londres.

    Falando sobre quando a tecnologia atingirá tal estágio, Millar disse que "estamos chegando ao ponto onde estas coisas possivelmente vão acontecer".

    'Ressuscitando mortos'

    Na conferência também participou o professor em Ciências da Computação David Levy.

    Segundo ele, implantar a personalidade de um ser humano real em um robô será possível, o que permitirá uma "conversa" com entes queridos já falecidos, ou com uma pessoa amada.

    "Uma vez que isso ocorra, logo em seguida será possível criar uma pessoa que é uma réplica de alguém vivo ou morto", declarou David Levy.

    Mais:

    QI superior a 9.000 pontos: militares russos obterão apoio de inteligência artificial
    EUA estão atrás de Rússia e China em desenvolvimento de inteligência artificial, diz relatório
    Google, Facebook e Microsoft propõem que Pentágono controle inteligência artificial
    Tags:
    fantasia, chip, cérebro, robô, inteligência artificial
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar