14:10 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    181
    Nos siga no

    O estaleiro Baltiysky Zavod está realizando testes do quebra-gelo atômico Arktika. Em entrevista à Rádio Sputnik, o especialista militar Vladimir Karyakin comenta o significado da nova embarcação para a liderança russa no Ártico.

    Os construtores do estaleiro, localizado em São Petersburgo, realizam testes do moderno quebra-gelo atômico para medir sua estabilidade. Para incliná-lo, foram utilizados blocos de ferro fundido.

    Vladimir Karyakin, especialista militar e ex-coronel das Forças Armadas russas, recordou à Sputnik que hoje em dia a Rússia é líder em construção de quebra-gelos e que as embarcações construídas no marco do projeto 22220 continuam a assegurar a liderança do país no Ártico.

    "Com certeza, todas as realizações recentes (a Rússia ocupa a liderança no mundo em construção de quebra-gelos) foram aplicadas neste projeto [22220]. Julgando pela aparência, o Arktika parece ser um quebra-gelo dinâmico, de design aerodinâmico e de construção moderna. Os quebra-gelos devem ser funcionais e confortáveis para serem usados em latitudes árticas", comentou Karyakin durante entrevista.

    "Nós mantemos a liderança no Ártico, temos a frota de quebra-gelos mais poderosa do mundo. Esta frota garante o acompanhamento seguro de todas as embarcações pela Rota Marítima do Norte. E, como se costuma dizer, não precisaremos nos preocupar com nada", agrega o especialista.

    Esta é a principal embarcação atômica do projeto 22220, desenvolvida a pedido da corporação estatal russa Rosatom. Atualmente, os engenheiros navais do estaleiro Baltiyski Zavod estão construindo dois outros quebra-gelos do projeto.

    Mais:

    China planeja construir quebra-gelo 'do século XXII'
    Quebra-gelo nuclear russo desbrava Ártico em timelapse deslumbrante (Vídeo)
    LAAD 2019: ida de Bolsonaro ao Chile vira trunfo de consórcio por quebra-gelo da Marinha
    Tags:
    defesa, Ártico, Rússia, quebra-gelo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar