19:57 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    180
    Nos siga no

    Uma "mancha" de água extremamente quente foi detectada no extremo sul do oceano Pacífico, perto da costa leste da Nova Zelândia.

    Imagens de satélite publicadas no Climate Reanalyzer mostram uma enorme área de água vermelha brilhante de cerca de 2.000 quilômetros de largura.

    A área vermelha vista no mapa térmico indica temperaturas de pelo menos 4 graus Celsius acima da média, enquanto as áreas brancas no centro indicam temperaturas de 6 graus Celsius acima da norma.

    Segundo relata New Zealand Herald, a "mancha" está crescendo lentamente e tem provavelmente o mesmo tamanho da ilha do Norte ou do Sul da Nova Zelândia.

    Imagem de mancha de água quente na costa da Nova Zelândia
    Imagem de mancha de água quente na costa da Nova Zelândia

    Com temperaturas que chegam a 20 graus Celsius, o local se tornou um dos pontos marinhos mais quentes do planeta, chamando a atenção dos pesquisadores climáticos.

    Esse fenômeno geralmente ocorre em águas com pouco vento, o que é agravado pela incidência solar na área, fazendo com que a água aumente de temperatura, explica James Renwick, pesquisador climático e professor da Universidade de Victoria (Austrália).

    "As temperaturas do mar realmente não variam muito, e um grau, mais ou menos, já é um grande problema e esta área é, provavelmente, quatro graus ou mais acima da média e isso é enorme", disse Renwick.

    Para obter mais informações sobre a origem do fenômeno e o impacto local que poderá causar, especialmente na vida marinha, cientistas irão começar a estudá-lo em breve.

    Mais:

    Erupção vulcânica na Nova Zelândia deixa ao menos 5 mortos e vários feridos (VÍDEOS)
    Após terremoto de 7,2 graus, Nova Zelândia é abalada por sismo de magnitude 6,3
    Tubarão é resgatado após encalhar em praia da Nova Zelândia (VÍDEO)
    Tags:
    oceano Pacífico, mancha, água fervente, Nova Zelândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar