12:17 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    291
    Nos siga no

    Uma equipe de pesquisadores da Universidade de St. Andrews e Universidade de Bradford (Reino Unido) encontrou evidências de uma grande anomalia magnética próximo de um dos principais monumentos megalíticos nas ilhas Hébridas, conhecidos como Pedras de Callanish.

    Os pesquisadores estavam estudando os dados de satélite em busca de círculos perdidos escondidos na turfa, quando notaram uma anomalia magnética próximo de Airigh, em uma única pedra que estava de frente para área principal. Com isso, eles sugeriram que a anomalia fosse resultado de queda de um raio de grande potência ou de um grande número de raios menores, segundo a edição Phys.org.

    Relâmpago em Bordeaux, França
    © AFP 2020 / Nicolas Tucat
    Relâmpago em Bordeaux, França

    "Evidências tão claras de descargas elétricas são extremamente raras no Reino Unido, e por isso, é improvável que a associação com este círculo de pedras seja uma coincidência [...]", afirmou Dr. Richard Bates, líder do projeto, da Universidade de St. Andrews, ressaltando que essa "evidência sugere que as forças da natureza poderiam estar estreitamente ligadas à vida cotidiana e às crenças das comunidades agrícolas primitivas da ilha".

    Para o pesquisador Chris Gaffney, da Universidade de Bradford, descobertas como essa são raras e isso mostra que, se não fossem as pesquisas científicas, não seria possível identificar eventos como esse.

    A equipe de pesquisa deve retornar à ilha em 2020 para realizar novas pesquisas em terra e nas águas que agora cobrem estes territórios antigos devido à elevação do nível do mar.

    Mais:

    Templo bíblico é descoberto próximo a Jerusalém (FOTOS)
    Campo minado da 2° Guerra Mundial descoberto no fundo do golfo da Finlândia
    Sonda da NASA volta a cavar Marte em meio a descobertas de misteriosos tremores
    Tags:
    relâmpagos, ilhas, descoberta, Escócia, descarga elétrica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar