14:46 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    270
    Nos siga no

    A Rússia planeja construir uma estação movida a energia nuclear no polo sul da Lua, operada por robôs. O projeto irá monitorar rotas de asteroides que possam oferecer risco à vida na Terra.

    A corporação espacial russa Roscosmos está elaborando o projeto lunar para ser executado já nos próximos anos. Dentre as propostas apresentadas, está a instalação de uma base lunar permanente, que poderá integrar um "sistema global para monitorar asteroides e cometas" que representem uma ameaça para nosso planeta.

    "O local escolhido para a base é o polo sul da Lua, que reúne relevo e condições favoráveis: luz suficiente para os painéis solares, crateras constantemente sombreadas com reservas de gelo para combustível e matéria-prima", explicou o diretor executivo para projetos avançados e científicos da Roscosmos, Aleksandr Bloshenko.

    Segundo Bloshenko, Rússia não deveria esperar que a base gere lucros comerciais. Por outro lado, os ganhos científicos advindos do estudo do satélite lunar e do espaço são intangíveis, reportou a RT.

    Polo Sul da Lua
    Polo Sul da Lua

    Parte da base poderá ser conectada a naves localizadas em pontos de Lagrange entre a Terra e o Sol para formar um sistema terrestre de alerta contra asteroides.  

    Além disso, a base será um local seguro para testar novas tecnologias espaciais, como os reatores nucleares de pequena escala que a Rússia desenvolve e tecnologias na área de robótica.

    Aliás, a robótica é parte fundamental do projeto, uma vez que a equipe permanente da futura base lunar será constituída exclusivamente por robôs. Pessoas "de carne e osso" farão visitas esporádicas "para realizar tarefas que os robôs não são capazes de executar", explicou Bloshenko.

    Recentemente, a Rússia enviou o robô Skybot F-850, controlado remotamente, para a Estação Espacial Internacional (EEI). Para Bloshenko, tratou-se de uma experiência preliminar que ainda não revela como serão os futuros habitantes da estação lunar.

    "Praticamente já escolhemos a plataforma para os futuros sistemas robóticos planetários. Será um carrinho de rodinhas, que poderá tanto rolar quanto ultrapassar obstáculos. Outro design conceitual é um robô, semelhante a um centauro, instalado em um carrinho para realizar tarefas planetárias complexas", elaborou.

    A Roscosmos está revendo suas prioridades, para alocar tanto o aprimoramento da EEI, quanto o projeto lunar, em seu orçamento.

    Robô humanóide Skybot F-850 na órbita da Estação Espacial Internacional
    © Foto / Twitter / FEDOR
    Robô humanóide Skybot F-850 na órbita da Estação Espacial Internacional

    O CEO da empresa, Dmitry Rogozin, anunciou que módulos novos projetados para a EEI poderão ser relocados para a futura base lunar russa.

    "O tempo operacional da EEI é claro, até 2028. Em contrapartida, a vida útil dos módulos é de 15 a 20 anos. Vale a pena enviá-los [para a EEI] por três a quatro anos e depois retirá-los de operação com a estação inteira? Não tenho tanta certeza assim", explicou Rogozin.

    A Roscosmos desenvolve dois módulos adicionais para a EEI: um módulo chamado NEM, que terá laboratórios e geradores de energia solar, e um módulo nodal de atraque Prichal, ambos previstos para serem lançados no início de 2020.

    Mais:

    Saiba por que Bennu é apelidado de 'asteroide do apocalipse'
    Saiba com que frequência asteroides gigantes caem na Terra e suas implicações
    NASA teria usado tecnologia inovadora para rastrear poeira de asteroide
    Tags:
    robótica, Roscosmos, base, Lua, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar