18:05 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Agência Espacial Europeia fechou acordo com empresa suíça para lançar ao espaço um robô capaz de remover restos de missões espaciais.

    A empresa em questão é a ClearSpace, a qual deverá lançar seu primeiro robô a pedido da agência já em 2025.

    Conforme publicou a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) o primeiro robô a ser desenvolvido e lançado com este objetivo fará parte da missão ClearSpace-1, destinada a remover do espaço o sistema Vespa, situado entre 660 km e 800 km na órbita terrestre.

    O sistema, pesando 100 kg, deverá ser encaminhado à superfície da atmosfera terrestre, o que deverá causar sua queima e destruição.

    Situação perigosa

    Focando os riscos da grande concentração de lixo espacial resultado de inúmeros lançamentos de aparelhos espaciais, Luc Piguet, fundador e presidente da ClearSpace, ressaltou a enorme quantidade de satélites inoperativos na órbita.

    "A questão do lixo espacial é mais urgente agora do que antes. Hoje nós temos cerca de 2.000 satélites ativos e mais de 3.000 inativos no espaço", publicou as palavras de Piguet o site da ESA.

    O grande acúmulo de resíduos de missões espaciais aumenta o risco de colisão entre satélites, gerando a necessidade de um robô capaz de remover os resíduos do espaço.

    Robô

    Com o intuito de combater o problema, a missão para o lançamento de um robô com quatro braços capazes de capturar os equipamentos abandonados na órbita deverá custar € 117 milhões (cerca de R$ 537 milhões), conforme publicou o portal Space News.

    Com elevado grau de autonomia, o robô também deverá ser destruído assim como a Vespa. No entanto, outras missões não deverão ter o mesmo destino.

    Mais:

    Satélite revela grande frota de drones militares da China (FOTO)
    Rússia envia satélite inspetor para a órbita da Terra (VÍDEO)
    EUA consideram o espaço como um lugar para guerra, afirma Putin
    Tags:
    robô, espaço, lixo espacial, satélites
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar