21:39 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    140
    Nos siga no

    Novos achados arqueológicos no noroeste da China revelaram as culturas que prosperaram ao longo da Rota da Seda, relata mídia.

    O "assombrado" cemitério de Reshui, um sítio arqueológico de cerca de 300 túmulos que remontam entre os séculos VI e VIII, está localizado no condado de Dulan, na província chinesa de Qinghai.

    Tendo ganhado fama nos últimos anos, roubos contínuos levaram que muitos tesouros fossem retirados das sepulturas. No entanto, em março de 2018, uma campanha de aplicação da lei em todo o país foi criada para combater o roubo de túmulos e recuperar os artefatos perdidos.

    Para resgatar o local saqueado, arqueólogos começaram uma escavação de uma grande tumba no cemitério de Xuewei no dia 1º de setembro, escreve a agência de notícias China Daily.

    Desde então, as descobertas feitas ajudaram a revelar o mistério que envolve o local, adicionando mais revelações que compõem a antiga Rota da Seda.

    "É até agora o túmulo antigo mais completo já escavado no planalto Qinghai-Tibetan […] Toda a estrutura do túmulo foi removida, o que é um avanço para os nossos estudos sobre os costumes funerários na região", disse Han Jianhua, o arqueólogo principal do cemitério de Reshui.

    A parede externa do túmulo recém-escavado abrange 33 metros de largura por 31 metros de altura e é construída por espessas camadas de terra. Restos de mosteiros e locais para sacrifícios religiosos também foram desenterrados.

    Segundo Han, a abundância de descobertas em termos de relíquias culturais oferece evidência de seu papel crucial no intercâmbio cultural na época.

    O conjunto caleidoscópico de artefatos, desde escorregas de madeira com palavras tibetanas, ferragens e peças de seda, até turquesas e cristais foram descobertos no local. E alguns dos padrões decorativos destes objetos apresentam os estilos típicos dos povos sogdiano e sassaniano - ambos originários do Irã e da Ásia Central de hoje.

    Cemitério (imagem referencial)
    Cemitério (imagem referencial)

    "A complexa estrutura do cemitério, a infinidade de objetos funerários e a diversidade de estilos revelam uma fatia da história que mostra como os diferentes grupos étnicos se comunicavam entre si", diz Zhu Yanshi, pesquisador do Instituto de Arqueologia da Academia Chinesa de Ciências Sociais.

    Além das descobertas em Xuewei, novas pesquisas arqueológicas no noroeste da China têm revelado textos históricos relacionados com a Rota da Seda da Dinastia Tang (618-907) para os tempos modernos, o auge da prosperidade cultural e econômica na história das dinastias chinesas.

    Artefato valioso

    Em uma encosta de montanha no condado de Ulan, na província de Qinghai, ao longo de uma escavação de um ano, iniciada em setembro de 2018, arqueólogos desenterraram uma tumba de um nobre Tubo com murais requintados.

    A descoberta de um compartimento oculto no túmulo trouxe uma surpresa ainda maior, pois tal coisa nunca havia sido encontrada em qualquer sepultura antiga na China, segundo Tong, sem falar no fato de que uma coroa dourada com pérolas e safiras, sentada ao lado de um copo de ouro incrustado com turquesa, foi encontrada no interior.

    "As coroas facilmente atraíam invasores de túmulos, por isso é raro encontrar um artefato assim durante a investigação arqueológica na China. Podemos descobrir quão meticulosos foram os criadores desta sepultura para garantir a sua segurança", afirmou Tong Tao, arqueólogo-chefe que trabalho no local.

    Para Tong, a coroa de ouro decorada com dragões alados e fênix indica muitas vezes uma expectativa de prosperidade para o país. Segundo o arqueólogo, a coroa representa o auge da cultura Tubo quando tinha reunido riqueza segurando a porta de entrada da Rota da Seda e uma civilização altamente desenvolvida foi criada como resultado.

    Documentos enciclopédicos

    Mais de 800 artefatos foram desenterrados do local chamado Keyak Khduk, mais a oeste ao longo da Rota da Seda, incluindo documentos preciosos escritos em papel e madeira, de acordo com Hu Xinjun, um dos principais arqueólogos do programa.

    Registros militares, cartas pessoais, livros de contas e obras de literatura se combinam para retratar não apenas como as unidades militares de fronteira da Dinastia Tang eram organizadas e administradas, mas também como eram as vidas dos soldados enquanto salvaguardavam o posto avançado.

    "Esses documentos recém-descobertos são enciclopédicos e preenchem muitas lacunas em nossa pesquisa […] Há também provas de que o governo central chinês governa esta área na história", diz Hu.

    Falando sobre as novas descobertas no noroeste da China, Song Xinchao, vice-diretor da Administração do Patrimônio Cultural Nacional, diz que elas se unem para "compor uma cadeia de histórias" na Rota da Seda.

    Mais:

    Tumbas e estátuas são desenterradas de cemitério de 4.500 anos no Egito (FOTOS)
    China pretende construir 30 reatores nucleares em países da Rota da Seda até 2030
    Nova Rota da Seda trava declaração do Conselho de Segurança da ONU sobre Afeganistão
    Tags:
    túmulos, Rota da Seda, China, cemitério
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar