17:55 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bola de fogo em céu noturno (imagem referencial)

    Bola de fogo no deserto na Austrália pode ter sido 'minilua', segundo cientistas

    © CC BY 2.0 / Mike Lewinski
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    181
    Nos siga no

    Uma bola de fogo que explodiu sobre o deserto na Austrália em 2016 pode realmente ter sido uma "minilua" extremamente rara, de acordo com um novo estudo.

    Uma bola de fogo foi detectada no dia 22 de agosto de 2016 sobre o deserto na Austrália graças a seis câmeras que abrangeram centenas de quilômetros no total da rede australiana de câmeras Desert Fireball Network.

    Agora um grupo de pesquisadores, lidado pelo cientista planetário Patrick Shober da Universidade Curtin, Austrália, realizou uma pesquisa do objeto. Os resultados foram publicados na revista científica The Astronomical Journal. Devido à velocidade lenta e à trajetória quase vertical da rocha espacial, os cientistas acreditam que era na verdade um satélite temporário ou uma "minilua", um satélite natural empurrado para dentro do nosso planeta pela gravidade.

    O estudo dos dados da velocidade do objeto indicou que a rocha espacial estava há algum tempo orbitando a Terra antes da explosão final. De acordo com uma simulação de um supercomputador realizada em 2012 que usou dez milhões de asteroides virtuais, somente 18.000 destes objetos permaneceram na órbita em volta da Terra simulada, indicando que na Austrália foi detectado um fenômeno raro.

    Antes da revelação sobre a "minilua" australiana, só houve evidências de outras duas miniluas. A primeira foi chamada de 2006 RH120 e orbitou a Terra entre 2006 e 2007 antes de ter explodida eventualmente na nossa atmosfera.

    Mais:

    Misterioso sinal de rádio poderia ser novo tipo de sistema estelar
    Detectada característica semelhante à do Sistema Solar a 320 anos-luz
    Veja como cidades europeias são 'atingidas' por asteroide em simulação (FOTOS, VÍDEO)
    Tags:
    lua, satélite, órbita, Austrália, bola de fogo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar