10:55 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    Com o intuito de determinar os limites biológicos do tamanho das baleias azuis, cientistas conseguiram medir a pressão arterial do animal marinho.

    Pela primeira vez na história, biólogos norte-americanos conseguiram medir a frequência cardíaca de uma baleia azul, ao conectar um sensor no corpo de uma delas, segundo revela o estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

    A baleia azul é o maior animal na Terra. Seu coração pode pesar ao redor de uma tonelada.

    Os especialistas acreditavam que seu coração batesse de 5 a 20 vezes por minuto. Até agora foi impossível determinar precisamente, porém, uma equipe da Universidade de Stanford declarou ter conseguido a façanha.

    Foi necessário se aproximar de uma baleia na Baía de Monterey, na Califórnia, e colocar o sensor com quatro ventosas junto a sua barbatana esquerda.

    Ao longo de um dia, o sensor registrou a frequência cardíaca do cetáceo. Assim que o dispositivo eletrônico se separou do animal, os biólogos o recuperaram para estudar os dados registrados pelo aparelho.

    Fragmento da mandíbula de uma baleia jogado na costa da península de Kola, na Rússia
    © Sputnik / Pavel Lvov
    Fragmento da mandíbula de uma baleia jogado na costa da península de Kola, na Rússia

    A análise sugere que o coração de uma baleia azul trabalha em seu limite biológico, o que explica porque essa espécie nunca evoluiu para tornar-se ainda maior. Os dados obtidos revelam, no entanto, que esse órgão pode funcionar de diferentes formas.

    Quando o animal marinho mergulha, sua frequência cardíaca se reduz a quatro ou oito batimentos por minuto, chegando às vezes a um mínimo de duas batidas por minuto. Quando consome alimentos em grande profundidade, a frequência cardíaca aumenta, mas em seguida volta a diminuir. Somente aumenta de maneira constante quando estes enormes mamíferos emergem à superfície para restaurar o nível de oxigênio no corpo. Nesta posição, seu pulso alcança de 25 a 37 batidas por minuto.

    Os cientistas acreditam que este é o máximo absoluto para um animal de tal massa, e que durante o período de recuperação o coração da baleia funciona no limite de suas possibilidades fisiológicas.

    "Os animais que vivem em extremos fisiológicos podem ajudar-nos a compreender os limites biológicos do tamanho", explica Jeremy Goldbogen, professor de biologia na Faculdade de Ciências Humanas de Stanford e líder da investigação, citado pelo portal Science Daily.

    Mais:

    VÍDEO captura raro tubarão-baleia perto da costa na Austrália
    Pega ladrão! Polvo abusado luta com biólogo para 'roubar' sua câmera (VÍDEO)
    Biólogos veem baleia beluga 'contratada' pela Marinha russa na Noruega (FOTO, VÍDEO)
    Tags:
    pesquisa, biologia, baleia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar