13:08 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Planetas oceânicos Kepler-62e e Kepler 62f (imagem referencial)

    Planetas podem orbitar buracos negros, ponderam astrônomos

    © Foto / David A. Aguilar (CfA)
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    110
    Nos siga no

    Cientistas de várias universidades do Japão consideram que discos supermassivos perto de buracos negros podem formar sistemas planetários muito grandes.

    Sistemas planetários massivos podem estar orbitando ao redor de buracos negros, ponderaram cientistas japoneses em um estudo publicado na revista Astrophysical Journal.

    Em vez de os planetas se formarem necessariamente a partir de pedaços de poeira macia que se juntam em um disco em torno de uma jovem estrela, eles podem se formar até mesmo ao redor de um buraco negro caso encontrem condições certas de formação, sugerem os pesquisadores.

    Astrônomos observaram os discos pesados em forma de poeira em torno de buracos negros supermaciços, que podem ser incrivelmente vastos. Apenas um desses discos pode ter até 100.000 vezes a massa do Sol. Esse material poderia eventualmente formar planetas ao longo de centenas de milhões de anos, segundo a pesquisa.

    "Nossos cálculos mostram que dezenas de milhares de planetas com 10 vezes a massa da Terra poderiam ser formados em um raio de 10 anos-luz de um buraco negro. Ao redor de buracos negros podem existir sistemas planetários de escala espantosa", afirmou Eiichiro Kokubo, um professor do Observatório Astronômico Nacional do Japão, que estuda a formação de planetas.

    Apesar de tudo, a teoria não pode ser testada, pois não existe meio de detectar esses sistemas planetários em torno de um buraco negro.

    Mais:

    FOTO revelada pela NASA mostra explosão mortal de 'nebulosa do morcego'
    NASA partilha conceito de rover lunar para 'potenciar projetos semelhantes' (FOTO)
    NASA mostra movimento de nuvens em Marte
    Tags:
    Japão, planetas, planeta, buraco negro, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar