01:42 16 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Erupção de vulcão de Fuego

    Cientistas estão próximos a revelar o mistério das erupções vulcânicas

    © AP Photo / Moises Castillo
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    170
    Nos siga no

    Uma equipe conjunta de cientistas da Rússia e Itália estudaram a montanha Monte Nuovo, que fica perto de Nápoles, para compreender o mecanismo das erupções vulcânicas.

    Os resíduos de lava contêm informações que podem não só revelar as causas das erupções, mas também desvendar mistérios antigos e futuros do nosso planeta.

    Na Itália, a pesquisa de vulcões avançou graças aos novos métodos físicos elaborados no laboratório do professor Sultan Dabagov, que funciona na Universidade Nacional de Pesquisa Nuclear MEPhI (Rússia), e no Instituto Nacional de Física Nuclear (Itália). A pesquisa usou os progressos mais recentes da física, que permitem decifrar dados “inscritos” no que restou após a erupção.

    "O nosso trabalho é a pesquisa detalhada da fase ativa na vida do planeta que se manifesta na forma de erupções vulcânicas. As erupções são fenômenos complexos, mas a tentativa de perceber as correlações entre as variáveis, que são muitas, é sempre mais um passo para a compreensão e previsão delas. Nós usamos fontes potentes de raios X, capazes de penetrar nas amostras sem as destruir", comenta o coordenador da pesquisa e professor do Instituto de Nanotecnologias em Eletrônica, Spintrônica e Fotônica da MEPhI, Sultan Dabagov.

    Segundo diz o cientista, na primeira etapa da pesquisa as amostras vulcânicas foram estudadas com ótica policapilar, que usa raios X. Depois, para confirmar os resultados, as amostras foram estudadas com radiação sincrotrônica, que é mais forte.

    Erupção do vulcão Kilauea no Havaí
    © AP Photo / Serviço Geológico dos EUA
    Erupção do vulcão Kilauea no Havaí

    O resultado disso foram radiografias e tomogramas das amostras, que permitiram recriar as particularidades internas de vários tipos de rochas, obtendo um modelo tridimensional de alta resolução.

    Os cientistas acreditam que a análise dos modelos e a sua comparação com amostras de outras erupções permitirão compreender tanto as erupções que já tiveram lugar no passado, como as novas de vulcões ativos e passivos.

    "Os dados obtidos graças à tomografia digital com uso de radiação sincrotrônica podem ser integrados no ambiente geral dos métodos de definição de parâmetros usados em geologia. Poderemos compreender melhor como a microporosidade e nanoporosidade das amostras pesquisadas influenciam sua capacidade de penetração para responder a muitas questões importantes sobre a formação e o desenvolvimento futuro do nosso planeta", diz Sultan Dabagov.

    O principal objetivo dos cientistas russos e italianos é criar uma ferramenta capaz de realizar uma análise tomográfica detalhada em um laboratório que possua um tubo de raios X de pequena potência. É a ótica policapilar que garantirá essa possibilidade.

    A nova ferramenta permitirá pesquisar as amostras vulcânicas em regime ininterrupto, porque tal dispositivo é menor e custa menos do que as fontes de radiação sincrotrônica – praticamente qualquer centro de estudos geológicos poderá obtê-lo.

    Os especialistas acham que o uso de ótica policapilar com fontes e detetores de radiação de pequeno porte poderá ser a base de dispositivos compactos móveis para analisar as rochas sem necessidade de transportar amostras.

    Mais:

    Vulcão Stromboli volta a entrar em erupção na Itália cuspindo lava e cinzas (VÍDEOS)
    Pesquisadores desvendam natureza do 'barulho' misterioso de vulcão subaquático
    Stromboli em toda sua potência: o despertar de vulcão italiano
    Tags:
    pesquisa, Itália, Rússia, cientistas, vulcão, erupção vulcânica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar