08:00 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Duas formigas vermelhas da madeira europeias (Formica polyctena) em uma floresta perto de Birkenwerder, no nordeste da Alemanha

    Milhares de formigas canibais escapam de bunker nuclear soviético

    © AFP 2019 / Patrick Pleul
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    As formigas eram todas operárias, não tinham rainha ou alimento normal no bunker nuclear, e tiveram de recorrer a uma prática estranha para sobreviver.

    Abandonada e considerada morta durante anos depois de cair em um bunker destinado a abrigar armas nucleares, uma colônia de formigas recorreu aparentemente ao canibalismo necrótico não só para sobreviver, mas também para prosperar, relata um estudo publicado no Journal of Hymenoptera Research.

    As formigas foram descobertas em 2013 em um arruinado e abandonado bunker de armazenamento de armas nucleares na zona rural da Polônia graças a uma contagem anual de morcegos hibernantes no mesmo bunker.

    Formiga vermelha da madeira europeia (Formica polyctena)
    © AFP 2019 / Patrick Pleul
    Formiga vermelha da madeira europeia (Formica polyctena)

    Mas a colônia que os pesquisadores encontraram era incomum, pois era composta inteiramente de formigas operárias, sem nenhuma rainha à vista, e não tinha nenhuma fonte óbvia de alimento disponível. Os insetos foram parar no bunker ao caírem pelo tubo de ventilação, sem chance alguma de voltarem ao ninho, revela a equipe de investigadores liderada pelo professor Wojciech Czechowski, da Academia de Ciências da Polônia.

    "Nosso estudo anterior [2016] também deixou em aberto como a colônia de bunkers poderia sobreviver e crescer sem acesso a áreas de forrageio. Um meio evidente poderia ser o canibalismo", observa o estudo.

    "Sabe-se que as formigas carpinteiras consomem cadáveres de seus iguais deixados em massa no solo durante espetaculares 'guerras de formigas' no início da temporada. A função de tais guerras é estabelecer as fronteiras das colônias de formigas vizinhas, mas os cadáveres também aumentam substancialmente os escassos recursos alimentares disponíveis quando a colônia começa a viver depois do inverno."

    O que aconteceu com a colônia?

    Os pesquisadores verificaram que a quantidade de Formica polyctena não diminuiu. Na verdade, elas proliferaram, apesar de todas as dificuldades em tentar sobreviver. Os cientistas estimaram a presença de cerca de um milhão de formigas "invasoras", e mais dois milhões de formigas mortas no bunker.

    Em 2016, os cientistas experimentaram criar uma ponte para que as formigas pudessem retornar à colônia original. Eles permitiram que cem indivíduos recuperassem o acesso ao ninho, onde viram que foram aceitos como pertencentes à colônia maior e original.

    "Usando um calçadão instalado experimentalmente, as formigas aprisionadas conseguiram passar pelo tubo de ventilação até seu ninho materno no topo do bunker", afirma o estudo.

    Depois desse sucesso, eles tornaram a ponte permanente, e as visitas mais recentes ao bunker revelaram um número muito pequeno de formigas que ainda vivem lá embaixo, com a grande maioria provavelmente tendo retornado ao ninho original.

    Mais:

    Placa cirúrgica achada em crocodilo pode revelar mistério de pessoa sumida na Austrália (FOTOS)
    Revelado mistério de fósseis encontrados há mais de 50 anos no Canadá (FOTO)
    Enorme 'muralha' de insetos invade praia no Canadá (VÍDEO)
    Cientistas descobrem fungos alucinógenos que transformam insetos em 'zumbis sexuais'
    Tags:
    insetos, bunker, nuclear, formiga
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar