15:20 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
     Pliossauro

    Fósseis de 'monstro marinho' de 150 milhões de anos são descobertos na Polônia

    CC BY 2.0 / Charles D P Miller / Pliosaur
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    270
    Nos siga no

    Enorme réptil marinho de um gênero extinto pertencente à subordem Pliosauroidea, que habitavam na Europa e América do Sul, é descoberto na Polônia.

    Trata-se da primeira descoberta deste tipo para os paleontólogos deste país europeu. Os ossos da criatura marinha gigantesca foram encontrados em um campo de milho perto das montanhas de Swietokrzyskie, na Polônia, revelaram cientistas em entrevista ao Science in Poland.

    Segundo os paleontólogos, os fósseis pertencem a um Pliossauro – uma criatura extinta do Jurássico Superior que tinha 9 metros de comprimento e pesava várias toneladas.

    "Eles [pliossauros] tinham crâneos grandes e fortes e grandes mandíbulas com dentes afiados", disse um dos descobridores durante a entrevista. De acordo com eles, esta é a primeira vez que fósseis deste tipo são encontrados no país.

    O artigo sobre a nova descoberta dos cientistas poloneses foi publicado na revista cientifica Proceedings of the Geologists’ Association.

    "As novas reconstruções paleobiogeográficas do Jurássico Superior na Europa são baseadas na composição da localidade de Krzyzanowice e outros locais com fauna de tartarugas e pliossauros semelhante que formaram uma simpatria ecológica estável de longo prazo nos ecossistemas marinhos do Arquipélago Europeus", lê-se no sumário do artigo científico.

    Anteriormente uma equipe internacional de paleontólogos desenterrou na Tailândia restos fossilizados de uma nova espécie de dinossauro predador gigante.

    Mais:

    Novos fósseis revelam como vida ressurgiu após extinção dos dinossauros (FOTO)
    Monstros da Antártica: conheça dinossauros mais raros achados no continente gelado (FOTOS)
    Tags:
    descoberta, cientistas, paleontologia, fósseis, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar