11:58 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Evolução da espécie humana

    Norueguês investe milhões para refutar darwinismo

    CC0
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    857
    Nos siga no

    Einar Rasmussen, um dos homens mais ricos da Noruega, não acredita na evolução e investe dinheiro para fazer com que crianças pensem como ele. O projeto apoiado pelo norueguês é considerado por teólogo como "versão moderada" do criacionismo norte-americano.

    Um abastado norueguês acaba de alocar cerca de R$ 6 milhões de reais para a recém-criada fundação BioCosmos, organização de fundo religioso que tem como objetivo refutar a Teoria da Evolução de Darwin.

    A fundação está empenhada em propagar a teoria, ainda não provada pela ciência, de "design inteligente", que parte do pressuposto de que a natureza tem um caráter tão harmonioso que a evolução não poderia ter ocorrido aleatoriamente, como Darwin estabeleceu. Para os entusiastas desta ideia, a evolução seria o resultado de uma qualquer "engenharia".

    De acordo com o milionário de 81 anos de Kristiansand, formado em engenharia naval e herdeiro de uma companhia de transportes fundada pelo seu pai, essa é a teoria que deveria ser ensinada nas escolas norueguesas.

    "Meu desejo é fazer com que essas pesquisas modernas venham ao conhecimento do público. Ela vai contra Darwin em pontos importantes", disse Rasmussen a um canal local.

    "No que se refere à microevolução, isso é algo que ocorre na natureza. Mas não observamos nenhum grande salto evolutivo, isso não está documentado", complementou.

    Apesar das suas alegações de que sua fundação se baseia na ciência, o milionário é alvo de críticas tanto de cientistas, como de políticos.

    O professor de Biologia Evolutiva da Universidade de Oslo, Glenn-Peter Satre, autor do livro "Genética Evolutiva", publicado pela Oxford University Press, condenou a fundação BioCosmos por ter as crianças como público-alvo.

    "Esse movimento está totalmente à margem da ciência", disse Satre.

    A fundação, que tem caráter religioso, é também questionada pelo teólogo Martin Jakobsen, da Faculdade de Teologia Ansgar, em Kristiansand.

    "A ideia é mostrar que não há conflito entre a ciência e a fé, mas o que acaba acontecendo é confirmar a ideia preconceituosa de que as pessoas religiosas são céticas em relação à ciência e às novas ideias", disse Jakobsen.

    O acadêmico classificou o projeto como uma "versão moderada do criacionismo norte-americano".

    "Quando você se pergunta sobre como funciona a natureza, você deveria ir falar com um naturalista. Quando você se pergunta sobre a natureza de Deus, você pode falar com um teólogo. O sapateiro deveria se focar no seu próprio ofício", sintetizou o teólogo.

    Vários políticos também expressaram suas críticas ao investimento do milionário. O político trabalhista Torstein Tvedt Solbert classificou a ideia de "design inteligente" de "ambígua".

    Ele também argumentou que é "completamente errado" que pessoas ricas "gastem dinheiro para comprar acesso às salas de aulas norueguesas". 

    Nas redes sociais, muitas pessoas ficaram chocadas com a notícia, notando que o dinheiro poderia ter sido aplicado de maneira mais inteligente, por exemplo, em pesquisas sobre o tratamento do câncer.

    A Teoria da Evolução, formulada pelo biólogo inglês Charles Darwin, explica por que os organismos mudam de forma ao longo do tempo.

    O principal argumento de Darwin é a ação da seleção natural e da mutação aleatória. De acordo com o biólogo, a evolução é fruto da relação entre variação, hereditariedade e luta pela sobrevivência.  

    Mais:

    Escolha teoria favorita: Terra é plana, gravidade não existe ou camisinha não evita DSTs
    'Não creio na ciência': inventor norte-americano tenta provar que a Terra é plana
    Cientista revela plano para desviar asteroide gigante que ameaça a Terra
    Homem lança a si próprio em foguete para provar que a Terra é plana (VÍDEO)
    Tags:
    Charles Darwin, evoluçao, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar