18:48 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Glaciar Pine Island (Antártida)

    VÍDEO mostra como 'rios' de água morna mudam paisagem da Antártica

    © CC BY-SA 3.0 / ESA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    220
    Nos siga no

    Conjunto de imagens tiradas durante 15 anos mostram como "rios" de água morna mudam a borda de glaciares e removem blocos de gelo na Antártica.

    Durante 15 anos, cientistas colheram imagens que mostram a movimentação da água no litoral da Antártica.

    Analisando as imagens, cientistas americanos descobriram em um estudo um fenômeno até então desconhecido, publicou a revista Science Advances.

    Com maior liquidez e menor salinidade, correntes de água mais quente acabam provocando o derretimento da porção congelada da Antártica, especialmente no litoral do continente.

    O fenômeno tem mudado o litoral do continente gelado e feito com que enormes placas de gelo se desprendam da plataforma glacial continental. Além disso, canais com quilômetros de largura e dezenas de quilômetros de comprimento são formados como resultado do fenômeno.

    "A circulação de água morna está atacando a parte inferior destas plataformas de gelo em seus pontos mais vulneráveis. Estes efeitos são importantes, mas ainda não sabemos o quanto", disse Karen Alley, coautora do estudo.

    Embora o estudo esteja concentrado na ação de correntes de água morna na Antártica, os cientistas não descartam a probabilidade de o fenômeno ocorrer em outras regiões, como a Groenlândia.

    Aquecimento global

    Ainda segundo os autores do estudo, o fenômeno pode ser intensificado pelo aumento da temperatura média global. Também o aumento do nível médio do mar catalisaria o fenômeno. 

    Mais:

    Como material extraterrestre foi parar em neve radioativa da Antártica?
    Por que fósseis de 20 milhões de anos achados na Antártica fascinam geólogos?
    Encontrados fragmentos da 'época em que Jesus Cristo viveu' na Antártida
    Tags:
    aquecimento global, derretimento, Antártida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar