13:50 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4113
    Nos siga no

    A agência espacial norte-americana detectou uma rocha espacial com uma velocidade estonteante de 8,19 km/s (cerca de 18.000 Km/h) se aproximando de nosso planeta na noite deste sábado (21).

    A NASA espera que o asteroide, chamado 2019 QZ1, se aproxime da Terra por volta da 1h19 UTC do domingo (22h19 do sábado, no horário de Brasília).

    O asteroide QZ1 é um Objeto Próximo da Terra (NEO), em outras palavras, um objeto espacial cuja trajetória ocasionalmente cruza a órbita da Terra em torno do Sol, escreve o tabloide britânico Express.

    "Alguns asteroides e cometas seguem caminhos orbitais que os levam muito mais perto do Sol e, portanto, da Terra, do que de costume […] Se a aproximação de um cometa ou asteroide o levar a menos de 1,3 unidades astronômicas do Sol, chamamos-lhe um Objeto Próximo da Terra", explicou a agência americana.

    Maior que Big Ben de Londres

    O QZ1 foi observado pela primeira vez em nosso Sistema Solar em 20 de agosto. A NASA estima que suas medidas se situem no intervalo de 57 a 130 metros de diâmetro – maior do que a torre do Big Ben em Londres.

    Imagem computadorizada da nave espacial Hayabusa 2 perto do asteroide Ryugu, em 5 de abril de 2019
    © AP Photo / ISAS/JAXA via AP
    Imagem computadorizada da nave espacial Hayabusa 2 perto do asteroide Ryugu, em 5 de abril de 2019

    Com base nos cálculos da agência, não há risco de o asteroide colidir com a Terra esta noite. No seu ponto mais próximo, a rocha se aproximará do planeta a uma distância de 0,03198 unidades astronômicas (UA), ou seja, mais de 4,78 milhões de quilômetros.

    Mais:

    Raro asteroide metálico teria tido erupção de ferro, aponta estudo
    Como colisão de asteroides há 470 milhões de anos poderia conter aquecimento global?
    Trajeto perigoso: asteroide imenso está a caminho da Terra
    Tags:
    colisão, NASA, Terra, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar